A importância da profecia

“Onde não há profecia, o povo se corrompe; mas o que guarda a lei esse é bem-aventurado.” Provérbios 29:18

Analisando a passagem bíblica podemos entender um pouco sobre esse assunto que muitos dizem conhecer, mas poucos sabem o ato prático de tal ação.
Quando falamos em profecia, falamos de algo concreto descrito na bíblia. Se pararmos para analisar o primeiro livro da bíblia, temos as primeiras profecias já relatadas, tais como: “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança…” Gênesis 1:26, demonstrando assim que AQUELE que é feito nova criatura em Cristo Jesus, assume uma nova forma, uma nova identidade. Não mais é um homem segundo a natureza de Adão (natureza do pecado), por que todos pecaram e destituídos foram da glória de Deus (Romanos 3:23). Isso nos mostra que o ser humano, nascido da água e do Espírito, está em constante aperfeiçoamento, até alcançar a estatura perfeita do perfeito filho de Deus, como nos diz: “Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente.” Efésios 4:12-14. Isso se dará por completo, quando for transformado o corruptível em incorruptível (1 Coríntios 15:53), mas não vamos alongar nesse assunto, pois não é o nosso objetivo principal. Mas seguindo esse raciocínio percebemos que esta foi a causa pela qual o ser humano se corrompeu, pois deixou de ouvir a voz da profecia desde a sua criação, como citado em provérbios 29 e no início desse texto, para ouvir vozes racionais segundo a forma do nosso limitado entendimento.
No mesmo livro de Gênesis temos outra profecia importante: “E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” Gênesis 3:15, mostrando a vitória final de Cristo sobre a antiga serpente Satanás. Essa profecia é novamente citada em Romanos 16:20 e Apocalipse 12:9-10. Com isso fizemos um breve apanhado, bem básico entre a diferença do santo com o profano, dos planos de Deus e dos planos contrários a Deus, sobre o plano de salvação e regeneração da alma, que se centraliza em Cristo e na sua morte na cruz. Se formos explicarmos ponto a ponto, tópico a tópico, creio que escreveríamos milhares de livros e ainda não seria suficiente.
698Deus nomeou nos tempos antigos homens separados para transmitir a voz de Dele para a humanidade. Destes podemos destacar dois que profetizaram para o seu tempo e para o tempo presente em que vivemos e para o futuro. Destacamos dentre estes, Enoque e Noé. Enoque no seu tempo profetizou sobre os falsos profetas dos dias de hoje e sobre o juízo de Deus sobre os ímpios, como se diz: “E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos; para fazer juízo contra todos e condenar dentre eles todos os ímpios, por todas as suas obras de impiedade, que impiamente cometeram, e por todas as duras palavras que ímpios pecadores disseram contra ele.” Judas 1:14-15. Do mesmo modo, Noé também profetizou um juízo sobre o pecado da humanidade de sua época, pelo que também Jesus nos alerta que no dia de sua volta a humanidade estaria como os dias de Noé. “E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem. Comiam, bebiam, casavam, e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos.” Lucas 17:26-27
Passemos rapidamente sobre a história de Abraão e a profecia em torno dela e que é muito recente para nós. Para uma pincelada rápida, temos uma profecia que através da semente de Abraão seria bendita todas as nações da terra (Gênesis 12) o que nos remete novamente a Cristo, pois nele vivemos, nos movemos e existimos (Atos 17:28). Mas o que há de tão profético assim?
Para começar a entender um pouco, pegamos a história de Abraão, que tinha uma profecia de extrema importância sobre a vida dele, onde Deus falava com ele de forma direta e clara, onde o próprio Deus confirmou por várias vezes essa profecia, mas em determinado momento Abraão deixa de ouvir o que é profético para ouvir o que é a razão (a voz da sua mulher Sara). Ele desvia-se do profético e tem um filho com Agar cujo nome é Ismael (Pai dos Árabes), onde a profecia seria que a nação, fruto das entranhas de Abraão seria gerada por Sara e não Agar. Por um pequeno desvio por parte de Abraão da voz profética temos visto os seus efeitos até os dias de hoje (a inimizade entre mulçumanos e cristãos). Isso é só para entendermos um pouco sobre o momento profético pelo qual estamos vivendo.
Passam-se alguns anos e a promessa de Deus se cumpre na vida de Abraão através do ventre de Sara sua esposa; esta gera a Isaque filho da promessa e da profecia. Em determinado tempo, Deus faz uma prova sobre a vida de Abraão pedindo o seu filho como sacrifício.
A atitude então de obedecer à voz profética do Senhor, resultou em participação deste servo na profecia que se estende até hoje para nós; esta profecia seria a morte do cordeiro de Deus no lugar do homem. Por causa dessa profecia é que temos acesso as moradas celestiais (João 14:2) e a Vida Eterna.
O tempo passa e Deus levanta Moisés (profeta poderoso diante de Deus) para conduzir ao povo à terra prometida, servo este que faz tipologia do Senhor Jesus que está conduzindo o povo escolhido para a Terra Prometida.
Há tantas profecias do período em que Moisés estava para tirar o povo de Israel da terra do Egito até Josué entregar todos os termos pelo que o Senhor tinha prometido para Abraão, Isaque e Jacó, e que, ocorreram no decorrer do tempo e ocorre até os dias de hoje e ainda ocorrerá até o dia da volta de Cristo, mas se formos citar também todas, escreveríamos várias palavras e ainda não cessaria.
Deus então “arrebata” do meio das nações da terra o povo de Israel e nomeia servos separados para através destes falar com o seu povo.
Tantos foram os servos que havia uma comunhão plena e uma santificação, que exigia a abnegação por completa das coisas terrenas. Homens esses que eram odiados pelo povo, pelos reis e príncipes; homens que colocavam a cabeça a prêmio, mas, o seu compromisso e o seu temor eram totalmente voltados para Deus. Podemos citar vários nomes como o caso de Samuel, Elias, Eliseu, Jeremias, Daniel, Isaías, Ezequiel e muitos outros considerados profetas menores como Joel, Malaquias, Ageu, etc. Homens que tinham o compromisso em transmitir para sua época e para outras épocas os acontecimentos que marcariam e marcam a história do ser humano na terra (tanto para os ímpios, como para os santificados). Homens que não tinham compromisso com o sistema político, financeiro, social; mas que tinham responsabilidade de transmitir uma ordem direta do trono de Deus para o ser humano, da vontade e do aviso do Criador para a criatura, acontecimentos que partiam do eterno para o tempo transitório.
Homens que muitas das vezes eram obrigados a comer fezes para sentir o gosto que o pecado tinha para Deus, homens com poder de dar ordens aos céus e esse reter a chuva. Homens que eram lançados em prisões, em fornalhas, em covas dos leões, que tinham a sua cabeça decapitada. Destes o próprio Jesus (também na condição de profeta) dá testemunho e chora pelo povo não dar ouvido às suas palavras – Jesus exclama e lamenta: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha os seus pintos debaixo das asas, e não quiseste?” Lucas 13:33-34. A tristeza do próprio Deus, por não darem créditos à Suas palavras desde a criação.
Homens tais como João Batista, que Jesus dá testemunho: “Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João o Batista…” Mateus 11:11. Este, como todos os outros profetas, não buscavam glória própria, que dizia de Cristo: “Este é aquele que vem após mim, que é antes de mim, do qual eu não sou digno de desatar a correia da alparca.”João 1:27. Homens pelo qual mostrava que mesmo o povo não querendo ouvir a voz de Deus, Deus queria falar, ainda que não ouvissem.
A profecia é a vontade expressa de Deus para a vida do homem, são as advertências, a voz da esperança para aqueles que Nele esperam, é demonstração do poder eterno de Deus “… sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder…” Hebreus 1:3.
Tal qual pai expressa o cuidado, ou a correção, ou a preocupação com seu filho, mostrando-lhe os perigos eminentes, os benefícios da obediência, o zelo; assim também é o zelo e o amor do Pai celestial. O qual expressa na sua maravilhosa palavra: “Desde o dia em que vossos pais saíram da terra do Egito, até hoje, enviei-vos todos os meus servos, os profetas, todos os dias madrugando e enviando-os. Mas não me deram ouvidos, nem inclinaram os seus ouvidos, mas endureceram a sua cerviz, e fizeram pior do que seus pais.” Jeremias 7:25-26.
Deus sempre expressou a vontade de Se comunicar com o homem. Mas como um Deus santo pode ter relacionamento com o homem corrompido? Como poderia Deus na sua mais sublime pureza conviver com o pecado? A verdade como nos ensina na bíblia sagrada: “Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça.” Isaías 59:2. A única forma de relacionarmos com Deus é através do seu Espírito Santo, e este só se recebe quando aceitamos o Filho e andamos em santificação, abstendo-nos das coisas carnais e perversas da natureza humana.
A profecia está intrinsecamente ligada ao destino da alma humana.
A profecia independe da vontade do homem, ela vem para colocar algo que está contrário à ação de Deus em ordem, ela é um grito de alerta para aqueles que crêem e esperam pelo agir de Deus, é o SOAR DAS TROMBETAS para despertamento às ações vindas do céu para a terra. Ela está ligada à vontade mais profunda do coração de Deus e é revelada por amor dos que são seus.
A profecia, tais como as operações de maravilhas nunca foi uma demonstração de atos celestiais para os ímpios e para os homens de belial, ainda que os atinja direta ou indiretamente, mas a profecia e os sinais de maravilhas é demonstração de poder para o povo separado e santificado para o Senhor. Lembram-se dos sinais no meio do Egito? Ainda que incluísse diretamente o povo egípcio nas manifestações de maravilhas demonstradas através da natureza e do sobrenatural, apontava para um preparo e para uma operação de poder e justiça para o povo de Deus. Por isso o povo egípcio não entendia o significado de tais maravilhas, mas o povo do Senhor sabia do que se tratava e buscavam se preparar para a saída para a terra prometida. A profecia vinha de uma ordem direta de Deus através do profeta Moisés para Faraó. A ordem era: “Assim diz o SENHOR: Deixa ir o meu povo, para que me sirva.” Êxodo 8:1 e também uma expressão da vontade de Deus para o seu povo, alcançada através da obediência. Desta forma Deus operava os sinais de maravilhas não para os incrédulos egípcios e nem para Faraó, mas para que o povo entendesse que havia uma operação maravilhosa do braço forte do Senhor. Da mesma maneira hoje, as profecias que diz respeito a nós (a igreja Fiel dos últimos dias, essa não tem denominações próprias, mas trata-se do cristão genuíno regenerado pelo sangue da nova aliança) apontam para um fato que em breve ocorrerá; o arrebatamento desta igreja espalhada por todo globo terrestre.
E como nos dias da libertação do povo hebreu, nem o Egito nem nenhuma das nações ao redor entendiam o significado dos sinais operados no Egito. Estamos em um tempo em que as pessoas não entendem e não crêem em muitos sinais que estão sendo mostrados (leiam Mateus 24 e o livro de Daniel e peça a Deus para abrir os seus olhos espirituais), mas os verdadeiros cristãos entendem e glorificam a Deus por permitirem deles verem e entenderem. Verdadeiros cristãos não são aqueles que apenas freqüentam uma igreja evangélica, mas aqueles que andam segundo a vontade do Pai.
Vivemos em uma época em que estamos presenciando o cumprimento das profecias, e que muitos dos servos do passado desejavam viver para contemplar, segundo o escrito: “E, voltando-se para os discípulos, disse-lhes em particular: Bem-aventurados os olhos que vêem o que vós vedes.Pois vos digo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vós vedes, e não o viram; e ouvir o que ouvis, e não o ouviram.” Lucas 10:23-24. Ao mesmo tempo vivemos uma triste época de trevas morais e espirituais, onde poucos conseguem entender e se preparar para o maior acontecimento que ocorrerá à humanidade – A volta do Senhor Jesus e o arrebatamento da sua noiva.
A verdade é que o povo de Deus em grande parte se apostatou da fé, fechando os ouvidos à palavra profética que santifica e regenera, e abrindo os ouvidos para doutrinas humanas, orquestradas por líderes vis e amantes dos prazeres terrenos, guiando uma grande multidão de pessoas carnais e terrenas, voltando os ouvidos às fábulas e a um evangelho bruxificado, mistificado, terreno, corrupto e distante do Reino Eterno. Como muito antes está expressa nas Sagradas Escrituras: “Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios” 1 Timóteo 4:1 (leia o capítulo todo)
Para nós a profecia que melhor se encaixa e: “Muitos serão purificados, e embranquecidos, e provados; mas os ímpios procederão impiamente, e nenhum dos ímpios entenderá, mas os sábios entenderão.” Daniel 12:10.
“Quem é injusto, faça injustiça ainda: e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, santifique-se ainda.”Apocalipse 22:11
Vivemos nos instantes finais que antecede a volta do filho de Deus nas nuvens com grande poder e glória. Que sejamos provados, mas sejamos purificados e embranquecidos ao lavarmos as nossas vestes no sangue do cordeiro. Ainda que passemos pela fornalha, possamos resplandecer como ouro que é purificado no fogo.
Corramos para alcançar tal profecia, pois assim como o relâmpago que sai do oriente e se mostra no ocidente há de ser a vinda do Filho do Homem, estejamos atentos e perseverantes na fé e nas doutrinas bíblicas, pois em breve virá glorioso o Senhor dos Senhores e trará a recompensa de cada um em suas mãos, uns para a vida e glória e eterna, outros para juízo e tormento eterno.
“Eis que cedo venho e está comigo a minha recompensa, para retribuir a cada um segundo a sua obra.” Apocalipse 22:12.
“Eu, João, sou o que ouvi e vi estas coisas. E quando as ouvi e vi, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava, para o adorar.
Mas ele me disse: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus.
Disse-me ainda: Não seles as palavras da profecia deste livro; porque próximo está o tempo.” Apocalipse 22:8-10.
Que Deus possa abrir os nossos olhos e ouvidos para poder ver e ouvir com clareza a voz da profecia, amém!!!!!!!

Por Sandro Oliveira

2 comentários em “A importância da profecia

  1. Maravilha de ensino. Eu bebi cada palavra nesta revelação do Espírito Santo, pois carne e sangue não teria esta sabedoria. Que o Pai Celestial nos ajude a caminhar na preparação para a vinda de Cristo. Oh! Senhor ajuda-no nesta hora terrível.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s