Metade dos animais da Terra morreram desde a década de 1970

animais_em_extincaoMetade dos vertebrados da Terra – entre eles aves, répteis, anfíbios e peixes – desapareceram entre 1970 e 2010, de acordo com um estudo promovido pelo grupo de conservação WWF, mundialmente conhecido como “Living World Study” (“estudo do mundo vivo”, em tradução livre). “Todos nós temos um interesse, e uma responsabilidade, em agir para garantir a proteção de algo valioso a todos nós: um futuro saudável para as pessoas e para a natureza”, disse David Nussbaum, presidente-executivo da WWF no Reino Unido.

O último relatório do grupo, lançado em 2012, tinha colocado o declínio ao longo dos últimos 40 anos em apenas 30%. Mas o recente estudo, feito com base em estatísticas mais detalhadas, descobriu que a real queda média foi de 52%. Em alguns grupos de animais, a perda foi ainda mais dramática: populações de peixes de água doce, por exemplo, caíram em 75%.
Entre os mais atingidos, estão os elefantes da floresta na África Ocidental e Central, que tiveram sua população reduzida em 60% desde 2002, devido principalmente à caça furtiva. Em Gana, o número de leões no Parque Nacional Mole despencou 90%.

A culpa é de quem?

Para o WWF, a culpa de toda essa perda é da atividade humana, especialmente por conta do desmatamento, pesca predatória e caça. As mudanças climáticas, que também são intensificadas pela atividade humana, foram apontadas como responsáveis por esse praticamente assassinato em massa. O relatório foi feito com base em estatísticas da sociedade London Zoological, que conta com a análise de 10.380 populações de 3.038 espécies.

A situação consegue ser ainda pior nos países mais pobres. Nas nações mais ricas, foi verificado um aumento no número de animais selvagens de 10%. No entanto, isso pode ser, em parte, porque a maioria dos danos nessas nações foi feito antes de 1970, diz o relatório. Ele também disse que os países ricos estão terceirizando a perda de biodiversidade para os países pobres pelos produtos que compram, como óleo de palma, que são insustentáveis​​. “A escala da perda de biodiversidade e danos aos próprios ecossistemas que são essenciais para a nossa existência é alarmante”, lamenta o professor Ken Norris, diretor da sociedade London Zoological. “Esse dano é uma consequência da forma que escolhemos viver. Embora o relatório mostre que a situação é crítica, ainda há esperança”, comenta.

Fonte: Hype Science

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s