O ISIS é ruim mas vem algo pior que eles

ISIS-ExecutionAqui está a tradução de um ótimo artigo que saiu no site WND com as análises de Joel Richardson sobre o conflito no Oriente Médio e concordo com a visão do que se passa nos bastidores do conflito, também muitos outros analistas podem concordar com essas análises.
Já divulguei isso antes e reforço que acredito que está perto o momento em que o ISIS será ou descartado e contido ou sacrificado pelos seus criadores, pois está chegando o momento em que seus criadores irão reivindicar para si as bases e o terreno ocupado pelo ISIS e filiados. Acredito que isso irá ficar claro quando o ISIS efetivamente vir a cumprir a sua ameaça de tempos de realizar um novo 11 de setembro, mas de maiores proporções, e acredito que isso deve ocorrer nos EUA e na Europa em conjunto. Esse novo ataque, que possivelmente envolverá bombas-sujas ou até piores, irá causar uma forte reação no mundo e nesse ponto acredito que um “islã moderado” irá vir ao palco, se “oferecendo” para resolver de vez a questão do ISIS e, como forma de fazê-lo, irá ocupar os espaços que o ISIS outrora ocupava e no fim essa “força islâmica moderada” se tornaria efetivamente o verdadeiro Califado em uma aliança com vários países e grupos islâmicos, que possivelmente será um misto entre xiitas e sunitas. É claro que até chegar a esse ponto muitos conflitos entre eles ocorrerão e terão de ser “ajustados”.
É possível que o dia 11 de setembro desse ano seja o dia escolhido para essa ação do ISIS, é apenas um palpite meu devido a proximidade do dia 11 com o fim desse ano Shemitáh que ocorre no dia 29 de Elul, o qual começa no dia 12 de setembro ao anoitecer e acaba em 13 de setembro. Em face do que ocorreu nos 2 Shemitáh anteriores também no dia 29 de Elul, o colapso de 2001 no dia 17/09 e o colapso de 2008 no dia 29/09, é possível que nesse Shemitáh atual ocorra algo similar e, se de fato vier a ocorrer, pode causar um novo colapso financeiro além de criar um conflito inicial de grandes proporções no Oriente Médio com o apoio do ocidente em face dos ataques que podem ser feitos no ocidente. Esse é o cenário que vejo se formando, ele irá se concretizar? Não se pode ter certeza, mas ele se torna mais provável a cada dia.
Segue abaixo o artigo do WND traduzido:
————————————————————-

images
O ISIS assumiu um papel central no esforço global para estabelecer a supremacia islâmica, superando as redes jihadistas como a al-Qaeda e o Hamas em destaque. Mas e se uma força está chegando que superará o califado auto-declarado e o seu exército, conhecido por sua brutalidade selvagem contra qualquer um que fica em seu caminho.
Um autor está advertindo que essa é uma possibilidade. Na verdade, ele está sugerindo que o ISIS é simplesmente uma ferramenta para as pretensões “neo-otomanas” do suposto aliado da OTAN dos Estados Unidos, a Turquia, um poder que, eventualmente, poderia ultrapassar o Hamas, a Al-Qaeda e o ISIS.
O autor Joel Richardson observa o fato de que o ISIS está enfrentando um sério desafio à sua autoridade, enquanto as forças curdas na Síria retomaram quase uma dúzia de aldeias com a ajuda e o apoio aéreo da coalizão.
O que está chamando a atenção da Turquia é o crescimento do poder militar curdo.
Richardson, autor do best-seller do New York Times “A Besta no Oriente Médio: Um Caso Bíblico para um Anticristo Islâmico”, argumenta que os curdos constituem as únicas forças pró-americanas de confiança na região, que na verdade, estão ganhando vitórias contra o ISIS. Ele critica o presidente Obama por não fazer o suficiente para ajudá-los em sua luta contra os extremistas islâmicos.
Ele disse ao WND: “De todas as várias facções que lutam contra o ISIS, apenas os curdos estão alcançando algum sucesso legítimo. Os curdos também são o único grupo legítimo merecedor do nosso apoio. Então, por que não estamos armando-os? Por que não estamos dando-lhes formação e apoio suficientes? Pior ainda, por que estamos indo tão longe a ponto de frustrar e bloquear os esforços de alguns dos regimes árabes moderados para armar os curdos?”.
Richardson disse que a resposta está na política estrangeira “abominável” de Obama.
Ele explicou: “Depois de George W. Bush deixar o cargo, o governo Obama empreendeu uma enorme mudança para começar a apoiar os chamados regimes e movimentos islâmicos moderados, enquanto que força uma derrubada dos vários ditadores regionais, como o presidente da Líbia, Muamar Kadafi, o presidente egípcio Mubarak e o presidente sírio, Bashar Assad. No lugar desses ditadores, Obama optou, em vez de apoiar a revolução líbia, apoiar a Irmandade Muçulmana, os rebeldes sírios e o partido turco AKP, que em muitos aspectos é uma versão turca da Irmandade Muçulmana”.
O AKP turco de afluência (Justiça e Desenvolvimento) do partido do presidente Recep Tayyip Erdoğan está agora apelando pela herança islâmica do país e a sua história como a sede do califado otomano, disse ele.
Oradores do partido pediram às multidões para trabalharem para a “libertação” de Jerusalém, e a liderança do país tem falado abertamente de buscar uma nova ordem regional baseada no passado otomano do país.
Ficando no caminho até agora, no entanto, estão os curdos, que compõem uma parcela substancial da população do país, especialmente no leste e sudeste.
A Turquia também tem sido afetada por movimentos separatistas de agitação pela independência curda.
Árabes, turcomanos e outras minorias na zona de conflito também cobram que as forças curdas estão usando a luta contra o ISIS para mudar a demografia da zona de conflito e criar as condições para um Curdistão independente.
Vitórias dos curdos nas últimas semanas obrigaram o ISIS a lançar contra-ataques selvagens para retomar os seus territórios perdidos. Os Estados Unidos estão aumentando o apoio aéreo para os curdos, mas a Turquia se recusa a se juntar à coalizão contra o ISIS e está mesmo considerando uma ação militar para impedir que um Estado curdo independente.
Um Estado curdo pode representar um desafio formidável para os sonhos turcos de hegemonia regional.
“Do ponto de vista do Presidente turco Erdogan, os curdos são uma ameaça pior do que o ISIS. A razão é porque para Erdogan, um domínio regional turco, essencialmente, um Império Otomano revivido, é muito mais importante do que as atrocidades realizadas pelo ISIS contra dezenas de milhares de muçulmanos não sunitas”, disse Richardson.
Richardson acredita que a Turquia está usando o ISIS para preparar o terreno geopolítico para o controle turco sobre toda a região.
Richardson, que explora as intenções do Governo turco em seu documentário “Testemunha do Fim dos Tempos”, diz: “Mostre a morte de pessoas e eles terão prazer em abraçar a malária”. Há um provérbio turco que diz, Erdogan está permitindo o ISIS fazer o seu trabalho sujo em seu quintal. Ele está usando-os em sua guerra contra Assad, os curdos e o Irã. Mas então chegará a hora, ele vai dispensar o ISIS, (ou permitir que outros o façam) e ele vai dar um passo à frente, como um califa muito mais atraente”.
Richardson defende que os americanos não devem subestimar a fome dos muçulmanos sunitas no Oriente Médio para um califado reconstituído sob a lei islâmica.
“As pessoas querem claramente um califado, as pessoas querem claramente a lei islâmica, mas eles não querem que isso seja sob a face opressiva e brutal do ISIS. A Turquia, então, define-se como sendo uma alternativa muito mais atraente. Infelizmente, se os últimos seis anos são um indicador, os EUA vão apoiar uma chamada alternativa que seja moderada”.
A Turquia não é o único jogador sunita na região. Richardson prevê um eventual conflito entre a Turquia e a Arábia Saudita.
Ele está especialmente preocupado com a perspectiva de instabilidade na Arábia Saudita, que tem financiado agressivamente uma versão radical do islamismo sunita ao redor do mundo, mas permanece sob o controle de uma rica, dissoluta e ostensiva classe dominante pró-americana aterrorizada com a sua própria população.
Além disso, no que Richardson define como “um jogo de xadrez de múltiplo nível” da política do Oriente Médio, o Irã predominantemente xiita está se movendo agressivamente de encontro com as contra-propostas pelos poderes sunitas para assegurar o controle sobre a região. As forças iranianas foram à luta contra o ISIS por meses, e as milícias xiitas compreendem alguns dos combatentes mais dedicados nos campos de batalha no Iraque. E como observa Richardson, essas forças xiitas, incluindo as do regime iraniano, estão movidos por suas próprias crenças apocalípticas.
No final, Richardson, cuja obra mais recente é “Quando um judeu governa o mundo: O que a Bíblia diz sobre Israel no Plano de Deus”, acredita que a geopolítica do fim dos tempos estão se desenrolando diante dos olhos da atual geração. E a batalha multifacetada entre o ISIS, os curdos e outras facções estão preparando o palco para um conflito maior e potencialmente muito mais destrutivo.
“Há uma guerra que está rompendo agora no Oriente Médio. É um conflito entre a Turquia e o Irã. Ele não se tornou um conflito militar de pleno direito. Mas eu acho que há uma forte série de razões que poderia muito bem chegar lá no futuro. Portanto, esta é uma das grandes questões para os que observam o Oriente Médio e precisamos estar prestando atenção a isso nos próximos dias”.

Tradução: Dionei Vieira
O artigo original pode ser lido aqui: http://www.wnd.com/…/something-worse-than-isis-coming-u-s-…/

Um comentário em “O ISIS é ruim mas vem algo pior que eles

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s