A oração é a chave da vitória

1622768_352516724921163_7301691365809588908_nA oração em congregação de forma fixa e com formulação estabelecida, conforme a conhecemos hoje, começou depois da destruição do Segundo Templo (apesar de no Segundo Templo já existirem certas orações congregacionais), quando o serviço das oferendas foi substituído pelo serviço do coração.
Todavia, existe uma ligação intrínseca e poderosa entre a história da oração e a história do povo de Israel, que andam entrelaçadas. Os Patriarcas já faziam as suas orações, no Monte Sinai recebemos as leis das orações confessionais que acompanham certas oferendas. Desde os dias de Moshé, o povo se reunia para ouvir a leitura da Torá, e desde a época de Aharon e seus filhos, até hoje, o povo recebe as Bênçãos Sacerdotais (Bircat Cohanim). O Profeta Samuel e o Rei David, ainda antes da construção do Primeiro Templo, estabeleceram orações.
Não é possível entender o profundo sentido das preces e o significado de seus costumes sem conhecer a história dos nossos antepassados, as fontes bíblicas e talmúdicas e os acontecimentos que levaram à sua composição. Mais ainda, os nossos Sábios afirmam que, quando um judeu estuda Torá, ele se sente como um aluno frente a seu mestre; porém, na hora da oração, é como um filho ao lado do pai (Hayom Yom, 26 de Tamuz).
A Tefilá (oração) é muitas vezes chamada na nossa literatura de “escada”, “cujos pés apoiavam-se no chão e seu topo alcançava o céu” (Gênese 28:12) – aliás, “sulam” (“escada”) possui o mesmo valor numérico que a palavra “col” (“voz”).
A Amidá, ou Shemonê Esrê é a parte principal das orações diárias, onde nossos pedidos são formulados.
Assim como tudo no judaísmo deve ser feito de modo vibrante, assim como a nossa Torá é chamada viva, Torat Chaim, do mesmo modo devem ser as nossas orações, pois “uma oração sem cavaná (devoção sincera) é como um corpo sem alma” (Abarbanel, Avot 3:13). A nossa comunicação com o Criador não pode ser um gesto mecânico, mas um ato carregado de sentimentos, como está escrito: “Não faça da tua prece um ato rotineiro, e sim um rogo de piedade e uma súplica diante de D’us” (Ética dos Pais 2:13). Precisamos nos sentir como um filho que está diante de seu Pai, louvando-O, pedindo por suas necessidades e agradecendo-O.
Sendo a Tefilá chamada de “serviço do coração” (avodá shebalêv), o que importa não é a velocidade ou a quantidade de preces recitadas, mas a sinceridade, pois “D’us deseja o coração” (Rashi, San’hedrin 106).
Quanto maior o entendimento, mais facilmente e sinceramente poderemos orar ao Todo-Poderoso, escalando “as escadas da prece” e nos unindo a Ele ainda mais. Portanto, é nossa vontade que esta obra auxilie “aqueles que O chamam” (Salmos 145:18) que “O chamem sinceramente”. Rogamos ao Todo-Poderoso que esta escada seja de duas vias, e possa Ele escutar a nossa prece diária “Faz o rebento de David, Teu servo, florescer rapidamente”.

Fonte: Aplicativo Legal Saber

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s