Um homem perdido sozinho numa ilha finalmente foi resgatado. Seus resgatadores perguntaram-lhe sobre as três cabanas que viram ali. Ele as mostrou e disse: “Esta aqui é minha casa e aquela é minha igreja.” Ele então apontou para a terceira cabana: “Aquela outra era minha antiga igreja.” Ainda que possamos rir da simplicidade desta história, ela realça uma preocupação com a unidade entre os cristãos.

A igreja de Éfeso durante a época do apóstolo Paulo consistia de ricos e pobres, judeus e gentios, homens e mulheres, senhores e escravos. E onde existem diferenças, existem também os atritos. Uma preocupação sobre a qual Paulo escreveu era a questão da unidade. Mas observe o que Paulo disse sobre isso no livro de Efésios 4:3. Ele não lhes disse para serem “ávidos em produzir ou organizar a unidade.” Ele lhes disse que se esforçassem “…por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz”. A unidade já existe porque os cristãos compartilham de um corpo, um Espírito, uma esperança, um Senhor, uma fé, um batismo e um Deus e Pai de todos (vv.4-6).

De que maneira “mantemos a unidade”? Expressando as nossas opiniões e convicções diferentes com humildade, gentileza e paciência (v.2). O Espírito nos dará o poder para reagirmos com amor em relação àqueles de quem discordamos.