Aprecio a natureza e gosto de louvar o seu Criador, mas algumas vezes sinto-me, indevidamente, culpada por admirá-la demais. E lembro que Jesus usava a natureza para ensinar. Para encorajar as pessoas a não se preocuparem, Ele usou simples flores silvestres como exemplo. “…Considerai como crescem os lírios do campo…” Ele disse isso, e em seguida lembrou o povo de que ainda que as flores não trabalhem, Deus as veste em esplendor. E a conclusão de Jesus? Se Deus veste algo temporário com tal glória, Ele certamente fará muito mais por nós (Mateus 6:28-34).

Outras partes das Escrituras indicam que a criação é uma das formas que Deus usa para nos falar de si mesmo:

“Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos.” Davi escreveu. “Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite” (Salmo 19:1-2).

“Os céus anunciam a sua justiça, porque é o próprio Deus que julga”, Asafe disse (50:6).

E Paulo escreveu: “Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis” (Romanos 1:20).

Deus nos ama tanto e deseja que o conheçamos que colocou provas de si mesmo para onde quer que olhemos. Que o Senhor nos dê olhos para vermos a Sua beleza em Sua criação.