Durante uma reportagem sobre a condição dos refugiados deslocados de um país destruído pela guerra, fiquei chocado com as palavras de uma menina de 10 anos. Apesar de haver pouca possibilidade de retorno à terra natal, ela demonstrou um espírito resiliente: “Quando voltarmos, vou visitar meus vizinhos; vou brincar com meus amigos,” disse com determinação pacífica. “Meu pai diz que não temos nossa casa, e eu lhe disse que vamos consertá-la.”

Há lugar para a tenacidade na vida, especialmente quando ela está enraizada em nossa fé em Deus e no amor pelos outros. O livro de Rute começa com três mulheres unidas por uma tragédia. Após o marido de Noemi e seus dois filhos morrerem, ela decidiu retornar à sua casa em Belém e incentivou suas noras viúvas a permanecerem em seu país, a terra de Moabe. Orfa permaneceu, mas Rute jurou ir com Noemi, dizendo: “…o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus” (Rute 1:16). Quando Noemi viu que Rute “…estava resolvida a ir com ela…” (v.18), as duas começaram sua jornada juntas.

Às vezes, a teimosia é algo que está enraizado no orgulho, mas o comprometimento nasce do amor. Quando Jesus foi à cruz, “…manifestou, no semblante, a intrépida resolução de ir para Jerusalém” (Lucas 9:51). Por Sua determinação de morrer por nós, encontramos a força que nos orienta a viver por Ele.