Meu irmão mais novo nasceu quando eu estava no último ano do Ensino Médio. Esta diferença de idade criou uma situação interessante quando ele chegou à juventude. Em sua primeira visita ao campus da universidade, nossa mãe e eu o acompanhamos. Quando chegamos, as pessoas pensaram que eu era o pai de meu irmão e que a nossa mãe era a avó dele. Finalmente, acabamos desistindo de corrigi-los. Independentemente do que disséssemos ou fizéssemos, o nosso verdadeiro grau de parentesco era suplantado por este caso cômico de troca de identidade.

Jesus questionou os fariseus sobre a Sua identidade: “Que pensais vós do Cristo? De quem é filho?…” Eles responderam, “…de Davi.” (Mateus 22:42). A identidade de Messias era decisiva, e a resposta deles estava correta, mas incompleta. As Escrituras haviam afirmado que o Messias viria e reinaria no trono de Seu pai Davi. Mas Jesus os lembrou de que apesar de Davi ser Seu ascendente, Jesus Cristo seria mais — Davi referiu-se a Ele como “Senhor”.

Diante de uma questão semelhante, Pedro respondeu corretamente, “…Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (Mateus 16:16). Ainda hoje, a questão da identidade de Jesus surge com mais importância que o restante dos questionamentos — e é eternamente importante que não cometamos erros ao entender quem Ele é. Nosso Criador, Defensor, Redentor e Amigo.