No culto de ceia ao qual minha esposa e eu fomos, a congregação foi convidada para ir à frente para receber o pão e o cálice de um dos pastores ou diáconos. Eles falaram a cada um sobre o sacrifício de Jesus por nós. Foi uma experiência comovente durante o que frequentemente pode se tornar apenas rotina. Após voltarmos aos nossos lugares, assisti a outros que lenta e silenciosamente retornavam a seus assentos. Foi surpreendente ver quantos deles tinham lágrimas em seus olhos. No meu caso, e no de outros com quem conversei depois, eram lágrimas de gratidão.

O motivo das lágrimas de gratidão se encontra na própria razão da mesa da ceia. Paulo, após instruir a igreja em Corinto sobre o significado de uma ceia memorial, pontuou seus comentários com as seguintes palavras poderosas: “Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que ele venha” (1 Coríntios 11:26). Com os elementos da ceia destacando diretamente para a cruz e para o sacrifício de Cristo em nosso favor, aquele culto se tratava de muito mais do que de um ritual — tratava-se de Cristo. Seu amor. Seu sacrifício. Sua cruz. Por nós.

Como palavras são inadequadas para transmitir o extraordinário valor de Cristo! Às vezes, lágrimas de gratidão comunicam o que palavras não podem expressar por completo.