E.U.A A CAMINHO DE UMA GUERRA CIVIL

Após o candidato Donald J. Trump vencer a 45ª eleição para presidente dos Estados Unidos, começaram alguns movimentos em alguns estados do país contra a posse do candidato e nos remete a seguinte pergunta: Estaria os Estados Unidos correndo o risco de uma guerra civil?

Para começar é necessário entender qual é o real significado de guerra civil.

No decorrer da história ocorreram algumas guerras civis ao redor do mundo e também no Brasil, veja algumas delas:

  • Guerra Civil de Roma de (49 a 48 A.C.)
  • Guerra Civil Inglesa (1642- 1649)
  • Guerra Civil Portuguesa (1828-1834)
  • Guerra Civil Iugoslava (1918-1941)
  • Guerra Civil Espanhola (1936-1939)
  • Guerra Civil Americana (1861-1865)
  • Guerra dos Farrapos – Brasil (1835-1845)
  • Guerra de Canudos – Brasil (1896-1897)
  • E muitas outras.

Uma guerra civil é uma guerra entre grupos organizados dentro do mesmo estado-nação ou república,[1] ou, mais raramente, entre dois países criados a partir de um Estado-nação que antes era unido.[2] O objetivo, de um lado, pode ser o de assumir o controle do país ou uma região, para conseguir a sua independência, ou para mudar as políticas do governo. Uma guerra civil é um conflito de alta intensidade, muitas vezes envolvendo forças armadas regulares, que é sustentado, organizado e de grande escala. Guerras civis podem resultar em um grande número de vítimas e no consumo de recursos significativos.[3]

As guerras civis desde o fim da Segunda Guerra Mundial duraram, em média, pouco mais de quatro anos, um aumento dramático de um ano e meio na média do período 1900-1944. Enquanto a taxa de surgimento de novas guerras civis tem sido relativamente constante desde meados do século XIX, o crescente comprimento das guerras resultou em aumento do número de conflitos em curso a qualquer momento. Por exemplo, não havia mais de cinco guerras civis em andamento, simultaneamente, na primeira metade do século XX, enquanto mais de 20 guerras civis simultâneas estavam ocorrendo no final da Guerra fria, antes de que uma diminuição significativa com os conflitos fortemente associados à rivalidade entre as superpotências chegasse ao fim. Desde 1945, as guerras civis resultaram na morte de mais de 25 milhões de pessoas, bem como na migração forçada de milhões. As guerras civis ainda resultaram em mais colapso econômico. Birmânia (Mianmar), Uganda e Angola são exemplos de nações que foram consideradas como tendo futuro promissor, antes de se envolverem em guerras civis.[4]

Após o último dia 08/11/2016, muitos grupos de pessoas demonstraram repulsas e insatisfação; dentre eles a mídia, grupos de esquerda, grupos lgbts, grupos pró-aborto, latinos e muitos outros grupos ligados ao marxismo e à agenda global. Muitos deles fizeram a sua “manifestação” nos meios de comunicação e redes sociais, e muitos que se intitulam “cristãos” também manifestaram a sua insatisfação com relação à eleição do candidato republicano. Até aí tudo bem, pois os manifestos estavam sendo feitos através da internet e outros meios de comunicações como telejornais e outros tipos de programação em diversos países.

Porém, da semana passada para cá uma grande agitação, com protestos nas ruas, e que está começando a sair do controle, vem ganhando força em todo o país.

Protestos tomam conta das ruas

Protestos tomam conta das ruas

Mais de 3 milhões de pessoas, assinaram uma petição solicitando que o Colégio Eleitoral Americano anule a nomeação de Donald Trump e nomeiem Hillary Clinton, incluindo várias celebridades de Hollywood e de outras partes do país.

Várias práticas de violência têm aumentado tanto nas mídias sociais como nas ruas americanas, veja algumas delas:

  1. Várias pessoas utilizaram-se do Twitter com chamadas a favor do assassinato de Trump e de seus apoiadores;
  2. Um líder do Conselho de Relações Islâmico-americana defendeu a derrubada do governo de Trump;
  3. “Liberais” espancaram um homem que andava com um cãozinho vestido de Trump e o espancamento resultou na hospitalização do mesmo;
  4. Pedidos de referendo de separação do país foram apresentados nos estados da Califórnia e Oregon;
  5. Protestantes estão depredando os patrimônios públicos, queimando bandeiras e fazendo protestos nus em diversas partes do país;
  6. Alguns grupos de protestantes com presença de anarquistas queimaram carros e bloquearam o trânsito em algumas cidades e quebraram alguns locais públicos;
  7. Uma garota foi espancada em uma escola após manifestar seu apoio a Trump;
  8. Grupos inconformados com a vitória de Trump organizam paralisações em todo o país.

    Manifestantes depredam patrimônio público

 

Esses atos de guerra civil não é um ato atual impregnado na mente do cidadão americano; já existem muitos filmes hollywoodianos e meios de comunicação que estão a algum tempo fomentando nas mentes americanas (e em outras partes do mundo) o sentimento de ódio, rebeldia e anarquia. E todo esse investimento parece estar “surtindo efeito” no meio das massas. Essa tensão e possibilidade de guerra civil americana que está no início, é apenas um lampejo que está para eclodir em toda as nações.

Os protestos já tomam parte de alguns estados e cidades, veja no vídeo:

Um grande protesto também tomou conta das ruas de New York City:

Nesse vídeo abaixo podemos ver como o ódio e a revolta está sendo praticados nas ruas do país:

Há indícios que toda essa manobra está sendo financiada por organizações de esquerda. Há uma organização não governamental denominada Progress Unity Fund (Fundo de Progresso e Unidade) que é isenta de impostos que tem como missão “quebrar as barreiras de divisão e discriminação”. Segundo eles essas barreiras podem ser legais, sociais, econômicas ou políticas e defendem a ideia de que as barreiras são criadas em cima das linhas de classes, raças, gêneros sexuais ou etnia.

O grupo ativista considerado de “esquerda moderada” começou a financiar “protestos de emergência” após a vitória de Donald J. Trump.

Segundo Peter Hasson do Daily Caller, não há explicações de quem o Progress Unity Fund recebe os investimentos.

Porém há alguns indícios de que George Soros esteja por traz das doações, assim como também está por traz das doações para a moveon.org um outro grupo de ativistas liberais, através da Open Society Foundations Soros. Na quarta-feira (09/11/2016) a Moveon.org anunciou em sua página do Facebook que iriam realizar “reuniões pacíficas” em todo o país e também dispôs uma petição para alterar a constituição e abolir o Colégio Eleitoral para realizar as eleições presidenciais com base no voto popular, pois segundo o artigo publicado “O Colégio Eleitoral ultrapassou sua utilidade ao eleger Donald Trump como presidente”. Esse mesmo grupo (Moveon) foi responsável por muitos dos tumultos e protestos causados durante a campanha eleitoral de Trump.

Além disso há indícios e relatos de que Donald J. Trump poderá ser vítima de uma tentativa de assassinato mesmo antes de sua posse, assim como foi assassinado o 35° presidente americano John Kennedy.

Toda essa tensão pode piorar ainda mais e aumentar a violência e o ódio entre os prós e contra o governo de Donald Trump e dividir ainda mais o país. Caso isso ocorra, é bem provável que também ocorra uma guerra civil de proporções catastróficas em solo americano. Vamos aguardar o desenrolar dos próximos capítulos e orar para que Deus proteja os nossos irmãos e irmãs e também o povo de bem dos Estados Unidos da América.

A Última Trombeta.

 

2 comentários em “E.U.A A CAMINHO DE UMA GUERRA CIVIL

  1. Pingback: COINCIDÊNCIAS OU AÇÃO DIVINA? | A Última Trombeta

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s