A Última Trombeta

Jesus está voltando!

Série Profetas Menores – Estudo sobre o livro de Naum

NAUM (Compassivo)

Nome de dois homens mencionados na Bíblia:

 

  1. Profeta do Antigo Testamento e autor do livro de Naum, cuja profecia pronuncia o juízo de Deus contra a poderosa Assíria.

Sabe-se muito pouco sobre Naum. Sua cidade Natal, Elcos, na nação de Israel (Na 1.1), não foi localizada. Entretanto, ele deve ter vivido pouco antes de 612 a.C, ano em que Nínive, capital da Assíria, foi destruída pelos Babilônios. Naum anunciou que o juízo de Deus sobre aquela cidade era iminente.

O livro de Naum é semelhante ao livro de Obadias, já que ambas as profecias são direcionadas contra nações vizinhas. Obadias falou a palavra do Senhor contra Edom, enquanto Naum profetizou contra a Assíria. As duas mensagens traziam uma palavra de esperança para o Povo de Deus, pois anunciavam que os inimigos de Israel logo seriam destruídos.

Embora pouco se saiba sobre o homem Naum, seus escritos profét

 

icos estão entre os pitorescos do Antigo Testamento. O Livro de Naum é caracterizado pelo uso de imagens marcantes, pela habilidade de manter o leitor em suspense, e por uma linguagem vibrante, com trocadilhos mordazes e sátira implacável. Naum era o homem que compreendia a bondade de Deus, mas também era capaz de descrever o terror que o Senhor infundia em Seus inimigos.

LIVRO DE NAUM

Pequeno livro profético do Antigo Testamento que prediz a destruição da Assíria e de sua capital, Nínive.

ESTRUTURA

O livro começa com uma breve identificação do profeta Naum. Em seguida, vem um salmo de louvor que proclama o poder e a bondade de Deus. Esta imagem consoladora é contrastada com os atos perversos dos Assírios. Com linguagem vívida, Naum apresenta a profecia que retrata o iminente juízo de Deus. Ele informa à nação Assíria que seus dias como potência mundial estão chegando ao fim. Num discurso que antecipa a calamidade que está por vir, o profeta descreve Nínive como uma “cidade sanguinária, toda cheia de mentiras e de roubo” (3.1). Mas, em breve, a cidade de Nínive seria assolada, e a Assíria seria esmagada diante do juízo de Deus.

 

AUTORIA E DATA

Este livro foi escrito por um profeta conhecido como “Naum, o elcosita” (1.1). Esta breve identificação nos diz tudo o que sabemos sobre este porta-voz do Senhor. Até mesmo a localização de Elcos, sua terra natal, é incerta, embora alguns eruditos acreditem que ele possa ter vivido na parte norte de Judá. O livro pode ser datado com razoável precisão. Nínive caiu, como previu Naum, por volta do ano 612 a.C. Portanto, o livro deve ter sido escrito nesta data.

 

CONTEXTO HISTÓRICO

Por mais de cem anos antes da época de Naum, a Assíria fora uma das potências dominantes do mundo antigo. Israel, o reino do norte, foi conquistado pelas forças assírias em 722 a.C. Alguns profetas afirmaram que Deus tinha usado essa nação pagã como instrumento para castigar a desobediência de Seu povo escolhido. Mas tinha chegado a hora da Assíria sentir a força da ira de Deus. Os exércitos de Nabopolassar da Babilônia arrasaram Nínive em 612 a.C., e, três anos mais tarde, todo o império assírio desintegrou-se sob os ataques incessantes da máquina de guerra babilônia. Assim, como Naum havia profetizado, os dias de dominação da Assíria chegaram ao fim e a grande nação de outrora foi humilhada por uma potência estrangeira.

 

CONTRIBUIÇÃO TEOLÓGICA

Esse livro ensina que o castigo de Deus é certo para os que se opõem à sua vontade e maltratavam o Seu povo. Atos desumanos são atos contra Deus, e Ele é o juiz supremo. Deus às vezes uma nação pagã para exercer juízo, assim como usou os assírios contra o povo de Israel. Porém, isso não exime a nação pagã de seguir leis e exigências estabelecidas por Deus. Ela será julgada segundo os mesmos padrões de justiça e santidade que Deus aplica a todos os outros povos do mundo.

 

CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS

Por uma estranha ironia, a cidade da Galiléia mais ligada ao ministério de Jesus foi Cafarnaum. o nome desta cidade, em hebraico, significa “cidade de Naum”.

Algumas pessoas se surpreendem com o tom sombrio e pessimista do livro de Naum. Como este retrato de ira e do juízo de Deus pode se harmonizar com o Deus de graça e amor que encontramos no Novo Testamento? Como Deus soberano e Todo-poderoso, Ele tem o direito de realizar Sua obra no mundo. O juízo contra o pecado faz parte da obra que Ele precisa fazer, ou não seria mais um Deus justo e santo.

Além de anunciar o iminente juízo de Deus, o livro de Naum também traz uma exortação à santidade de vida e à pregação fiel, por parte do povo que guarda a Aliança com Deus. Nossa tarefa é levar a mensagem de salvação a todos aqueles que estão fadados à condenação eterna, a menos que se voltem para Deus em arrependimento e fé.

Fonte: Dicionário Ilustrado da Bíblia

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

Publicado às 21 de janeiro de 2018 por em Estudos e mensagens e marcado , .

Postagens no Instagram

ESTRATÉGIA DO DIABO: Dividir a nação para poder reinar SOLUÇÃO 1: II CRONICAS 7:14-15 então, se o meu povo se humilhar e orar, e me procurar, e se arrepender e mudar sua maneira errada de viver, eu ouvirei do céu as suas orações, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra. Estarei com os olhos e ouvidos abertos para atender a todas as orações que forem feitas neste lugar. SITUAÇÃO: NÃO DEIS LUGAR AO DIABO! A nação brasileira esta dividida, e muitos estão caindo na estratégia do diabo e lutam contra seus irmãos, ataques verbais que poderá levar a ataques de fato instalando o caos num pais sofrido pela violência, criminalidade, corrupção, falta de saúde, educação, acentuando ainda mais a divisão. Nenhum pais divido subsiste... SOLUÇÃO 2: A Igreja do Senhor Jesus Cristo tem a obrigação de defender os valores pétreos: DEUS, FAMÍLIA E PÁTRIA É hora de toda a igreja brasileira fazer cair as divisões, barreiras, diferenças e se unir para salvar a nação. CLAMOR, INTERCESSÃO até o dia 28 de Outubro de 2018 Igreja unida por um propósito: SALVAR A NAÇÃO, Impedir a operação do erro, proteger a família, proteger a Igreja, proteger a pátria. É HORA DE MUDANÇAS! ESPALHEM ESSA MENSAGEM, vamos mudar o Brasil através da Oração da Igreja! COPIE E COLE NAS SUAS REDES SOCIAIS #PalavradeDeus, #volteaoevangelho, #evangelho, #igrejaverdadeira, #igrejacrista, #autoridadedocrente, #temordoSenhor, #verdadeirospastores, #servosdeDeus, #lidereseclesiasticos, #lideranca, #lider, #falsosmestres, #falsosapostolos, #falsosprofetas, #obediencia, #rebeldes, #rebeliao, #desobediencia, #opiniao, #pesquise, #pergunte, #pense, #reflita, #inteligenciaespiritual, #cuidado, #Faith, #god, #christian @Regran_ed from @andandonagraca -
- Muitos pastores que ajudaram a eleger Donald Trump nos Estados Unidos, em 2016, estão vendo com entusiasmo a possibilidade de Jair Bolsonaro (PSL) ser eleito presidente do Brasil. Um dos pontos que atraem os líderes que fazem parte do Conselho Executivo Evangélico da Casa Branca está na política de Bolsonaro em relação à Israel. “Entendo que se Jair Bolsonaro ganhar a eleição, como presidente ele vai tomar essa decisão de transferir a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém”, disse o pastor americano Mario Bramnick, de Miami, em entrevista por telefone ao jornal Valor Econômico. O senador Magno Malta, um dos aliados da campanha de Bolsonaro, revelou em entrevista ao Guiame que o candidato do PSL pretende reconhecer Jerusalém como capital de Israel e transferir a Embaixada do Brasil de Tel Aviv para a cidade, assim que for eleito. O movimento que reconhece a soberania de Jerusalém foi iniciado por Trump no fim de 2017, quando os EUA passavam a reconhecer a cidade como capital israelense. Em maio, a transferência da Embaixada americana foi concluída. A medida foi criticada na ONU por 128 países, incluindo o Brasil, porque os palestinos reivindicam parte de Jerusalém como capital de seu futuro Estado. Por outro lado, Trump recebeu um forte apoio das igrejas evangélicas americanas. Para o pastor, além do caráter religioso, essa iniciativa teria um efeito diplomático. “Obviamente, o presidente Trump está olhando que países estão seguindo o exemplo dos EUA na transferência da Embaixada. Isso vai ser um ponto que ajudará nas relações entre EUA e Brasil e, claro, entre Brasil e Israel.” Continue lendo: guiame.com.br #portalguiame - #regrann @Regran_ed from @guiame_oficial
Nem precisa legenda... mas já nos emsinava no princípio, o SENHOR — "Não ande como #mexeriqueiro no meio do seu povo, nem #atente #contra a vida do seu próximo. Eu sou o Senhor." Levítico 19:16 #Fofoca é igual #AtentadoContraVida
Anúncios

Visitantes

Map

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 107.816 outros seguidores

Follow A Última Trombeta on WordPress.com

Estatísticas do blog

  • 3.101.005 cliques

Siga-me no Twitter

%d blogueiros gostam disto: