SONHO: ALERTA PARA O ARREBATAMENTO

Arrebatamento

“E disse-lhe um: Senhor, são poucos os que se salvam? E ele lhe respondeu: Porfiai por entrar pela porta estreita; porque eu vos digo que muitos procurarão entrar, e não poderão. Quando o pai de família se levantar e cerrar a porta, e começardes, de fora, a bater à porta, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos; e, respondendo ele, vos disser: Não sei de onde vós sois; então começareis a dizer: Temos comido e bebido na tua presença, e tu tens ensinado nas nossas ruas. E ele vos responderá: Digo-vos que não vos conheço nem sei de onde vós sois; apartai-vos de mim, vós todos os que praticais a iniquidade. Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, e Isaque, e Jacó, e todos os profetas no reino de Deus, e vós lançados fora.” Lucas 13:23-28

Amados (as) irmãos (ãs) queremos compartilhar com vocês um sonho que foi dado para despertamento da igreja nesse tempo crítico e decisivo em que vivemos. Espero que atentem para cada detalhe do sonho, e se você se encontra em uma condição parecida com essa, que em Nome de Jesus você reconheça, arrependa-se dos seus pecados e não ignore, pois pode ser esta a última oportunidade para se preparar para o Grande Dia do Senhor (e pode ser agora mesmo enquanto você lê esse alerta de Deus para a sua vida). Se querem dar valor a algo, dê valor ao que Yeshua (Jesus), o Filho de Deus disse: “Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não hão de passar. E olhai por vós, não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia. Porque virá como um laço sobre todos os que habitam na face de toda a terra. Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas estas coisas que hão de acontecer, e estar em pé diante do Filho do homem.” Lucas 21:33-36.

Leiam o relato do sonho abaixo e que o Espírito Santo conduza o seu coração no temor do Senhor para te fazer um servo (a) vigilante e santificado (a) aguardando a bem-aventurada volta do nosso amado Salvador: Continuar lendo

CARTA ÀS IGREJAS – PONTO CHAVE

Cruz

Igreja de Cristo, atentem para as sete igrejas apresentadas no livro de Apocalipse nos capítulos 2 e 3. Ao visualizá-las segundo a narrativa do apóstolo João, do qual ele próprio recebeu conforme revelação entregue por Yeshua (Jesus Cristo) nas dependências celestiais, e ao contemplá-las conforme a ótica que o Espírito Santo nos concede, podemos perceber um ponto muito importante que é desapercebido ou negligenciado por muitos cristãos da atualidade.

Quando analisamos cautelosamente as palavras poderosas contidas nesses dois capítulos, podemos ver que o conteúdo explícito ali faz alusão à completude das igrejas nos últimos tempos presente aqui na terra, onde as mesmas são representadas pelo número 7 (levando assim a assinatura do que é Perfeito, o próprio YHWH). Quando analisamos a completude da igreja, não como instituições separadas e nem tão pouco como um fraccionamento celular, mas como um corpo completo de Yeshua (Jesus Cristo) com todos os seus organismos em pleno funcionamento; podemos então direcionar essas palavras de exortação (porém de vida) aos cristãos que um dia confessaram a fé em Cristo e ainda professam de tal fé, então verificamos que nessas mesma palavras há um conselho bastante contundente deixado por Yeshua (Jesus Cristo) para àqueles que estariam misturado no meio de comunidades repletas de doutrinas dos Nicolaítas, de Balaão, de Jezabel, de falsos apóstolos, de falsos judeus, etc.

E o conselho mais repetido para essas comunidades foi: ‪#‎arrependam‬-se dos seus pecados. Então é bom pegarem esse conselho, se quiserem desfrutar das promessas dadas para as igrejas dos quatro cantos da terra e entrarem nas chamadas bodas do Cordeiro.

Shalom!!!!

A Última Trombeta

 

É CERTO AFIRMAR A NECESSIDADE DE ARREPENDIMENTO PARA ESSA GERAÇÃO?

me-quebrantar

Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres.” Apocalipse 2:5

Para iniciarmos o nosso assunto, precisamos expor algo muito importante que não veio de agora (dessa última hora), mas de uma ordem expressa de Cristo à totalidade da sua fiel igreja, a qual Ele comprou com o Seu precioso sangue. E essa ordem permeia desde que a Sua revelação e a Sua verdade foi entregue e eternizada no livro de Apocalipse por seu amado amigo Yohanan (יוֹחָנָן), ou simplesmente apóstolo João (o apóstolo que mais tinha intimidade com o nosso Senhor e Salvador); do qual podemos perceber que com o passar das décadas veio se extingüindo paulatinamente, em decorrência da sonolência que atingiu a noiva (Mateus 25:1-5), uma sonolência decorrente do evangelho utópico que tenta minimizar os danos causados pelo pecado que tem feito com que haja uma separação entre Deus e a sua criação (Isaías 59:1-4) e por se extinguir o Espírito Santo na vida de muitos irmãos (ãs), justamente no momento em que não podia-se extinguir (1 Tessalonicenses 5:19-20; 2 Timóteo 1:14). Esse é um tempo difícil, em que as trevas cobrem as nações, um tempo profético (Isaías 60:2; 2 Timóteo 3:1-8), um tempo em que vemos muitos mergulhados em pecados e iniquidades (dentro e fora das igrejas), mas contudo são incapazes de sentirem suas misérias para que o Senhor dos Exércitos os perdoe e os cure (Tiago 4:4-10); continuam na sua cegueira atroz, ávidos (as) pelas mazelas do reino desse mundo e pelo pecado, mesmo quando o próprio Deus afirma qual seria a forma correta de não continuarem na inimizade com  Ele, mesmo após alguns terem recebido a Cristo na sua vida desfazendo no primeiro momento a inimizade que o (a) separava de Deus (2 Coríntios 5:19; Efésios 2:15-16) por causa do pecado que faz separação entre Deus e os homens, como vimos acima. Ainda assim alguns preferem voltar ao estado de inimizade aliançando-se com o mundo e com o pecado, tornando o seu último estado pior do que o primeiro (2 Pedro 2:20-22), pois no primeiro estado ainda estavam no tempo da ignorância (sem conhecimento) e necessitavam, ou necessitam de se arrependerem (Atos 17:30-31). Continuar lendo

PORQUE DEVEMOS TEMER A DEUS

20151112_juizO temor à D’us, do hebraico Yirat Adonai (פחדתי אדונים) é o princípio da sabedoria (Provérbios 9:10). Não há como obtermos a sabedoria verdadeira, e nem chegarmos ao conhecimento de nossa natureza e nem tão pouco da natureza do Eterno apenas por meio de estudos, se nós excluirmos o temor que é devido a Ele. Por isso aqueles que conhecem a D’us apenas pelo atributo do amor (ainda que Ele seja amor de uma forma que ultrapassa o entendimento da mente humana) não O pode conhecer de maneira mais profunda. Nem tão pouco aqueles que procuram dimensioná-Lo por mera filosofia ou teologia.

Nenhum estudo ou grau de conhecimento que podemos obter em qualquer assunto da nossa vida passageira é válido se no decorrer dos nossos anos não aprendermos a temer à santidade de um D’us Todo Poderoso.

Por isso Salomão, o homem mais sábio que pisou na face da terra escreveu em Eclesiastes: “E, demais disto, filho meu, atenta: não há limite para fazer livros, e o muito estudar é enfado da carne. De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem. Porque Deus há de trazer a juízo toda a obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau.” Eclesiastes 12:12-14

A palavra Yirat (temor) tem um alcance muito mais elevado nas Escrituras Sagradas, às vezes refere-se ao medo que nos sentimos em antecipação de algum perigo ou de sofrimento, mas também pode indicar admiração ou reverência. Nesse último sentido, a palavra Yirat inclui a idéia de maravilha, espanto, mistério, admiração, gratidão, e até mesmo adoração (igual a um sentimento que começa quando nós admiramos algo maravilhoso), tal qual Davi expressou: “Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem” (Salmos 139:14). Continuar lendo

Presente Diário: O CÉU SE REGOZIJA

ઇઉ Presente Diário: O CÉU SE REGOZIJA

✏ Leitura Bíblica: Lucas 15:1-10

…há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende. —Lucas 15:10
19-770x425

 

Joana foi criada em um lar cristão. Mas, quando entrou para a faculdade, começou a questionar suas crenças e se afastou de Deus. Após formar-se, ela viajou por vários países, sempre buscando a felicidade, mas nunca se sentindo satisfeita. Ao passar por algumas dificuldades, ela reconheceu que Deus a estava buscando e que ela necessitava dele.

Distante de seu país, Joana telefonou para seus pais e disse: “Entreguei minha vida a Cristo e Ele está me transformando! Lamento pela preocupação que causei a vocês.” Seus pais ficaram tão empolgados que chamaram os irmãos e cunhadas dela para virem à sua casa imediatamente. Eles queriam contar pessoalmente à família a empolgante novidade. “Sua irmã recebeu Cristo!”, anunciaram eles, regozijando-se com lágrimas.

A mulher da passagem do livro de Lucas 15 que encontrou sua moeda perdida chamou suas amigas e vizinhas para se alegrarem com ela (v.9). Jesus contou essa história, e outras sobre uma ovelha perdida e um filho perdido, ao povo religioso de Seu tempo, para mostrar como Ele veio à terra para buscar os pecadores perdidos. Quando aceitamos o dom da salvação, dado por Deus, há regozijo na terra e no céu. Jesus disse: “…há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende” (v.10). Como é maravilhoso o fato de Jesus ter descido até nós. O céu se regozija quando nós respondemos!

Os anjos se regozijam quando nos arrependemos.

A pornografia pode acabar com sua vida: testemunho de Terry Crews

Só entende a misericórdia divina quem já precisou dela. Os homens bons, aqueles que são zelosos e nunca pecam, estes jamais saberão o que significa a clemência infinita de Deus.

A mentalidade terrena, baseada em uma justiça horizontal, tem dificuldade de conceber um Deus misericordioso, que exalta um pecador com Davi, que escolhe um orgulhoso como Paulo. Os erros nos quais caíram, aquele por sensualidade e este por radicalismo, são, segundo a mera concepção humana de direito, dignas dos mais severos castigos.

O que Deus, porém, ofereceu para eles foi a misericórdia e o perdão. Não que não tenham sofrido as consequências de seus atos impiedosos, mas tiveram, ainda assim, a compaixão de Deus em favor deles.

Não se costuma pensar muito nessas coisas enquanto se tem a si mesmo como homem digno. Os fariseus não entendiam não porque eram maus, mas porque se achavam realmente bons. Judas não entendia isso porque se via como uma pessoa dedicada a uma causa maior, mais valorosa.

Quem compreendeu e anelou pelo perdão foram aqueles que tinham realmente consciência de que necessitavam dele. Foram injustos até ali, pecaram até ali, mas encontraram, naquele momento, a chance de se limparem, de começar uma nova história.

A beleza e força do cristianismo se encontra exatamente nisso. É a última chance para o homem redimir-se. A oportunidade derradeira de arrancar o peso da injustiça de suas vidas. É a vocação para a cura.

Quem não entende que Cristo veio salvar e não julgar, não compreendeu nada do Evangelho. E por mais que não pareça, esta é a parte de sua mensagem mais difícil de ser assimilada. É que, na verdade, os que teorizam sobre essa misericórdia, normalmente são aqueles que já se vêem como limpos. Ainda que compreendam intelectualmente que são pecadores, não se enxergam, assim, tão maus. Acham que cometem erros, mas, em geral, são justos, corretos e exemplares. Afinal, se esforçam para obedecer a Deus e são zelosos com isso.

Aqueles, porém, que não apenas sabem, mas experimentam a força de sua própria impiedade, que carregam nos ombros o peso de seus pecados, que são perseguidos pelo fantasma de seus vícios, que não conseguem mais conceber uma forma de não terem seu passado como um algoz inapelável, acabam mais receptivos à mensagem perdoadora de Jesus. Isso porque eles sabem que somente algo divino, algo que extrapole a medida humana, pode agir de maneira a aliviar o fardo que carregam em seus lombos.

Não é à toa que Cristo veio para os doentes. São eles que sentem nos ossos a dor de sua própria enfermidade. Não se justificam, nem se enganam, como se fossem sãos. Simplesmente, seguem cada dia com suas moléstias, pois, para eles,  parece não haver mais esperança.

Os sãos, por seu lado, não precisam de Cristo. Até porque jamais o compreenderão. Podem dizer quem ele é, o que ele fez e até sua proposta, mas jamais saberão, na experiência, o que ele veio fazer neste mundo.

Apenas uma alma quebrada pode ser consertada. Apenas um doente pode ser curado. Apenas quem se depara com sua própria miséria pode ser exaltado. Apenas quem experimenta as dores de seu próprio pecado e não sabe mais o que fazer para aliviar seu coração pode compreender a proposta de libertação do jugo e alívio do espírito que Cristo oferece.

Só um pecador anseia por salvação.

Fonte: NEC

ALERTA: as provas que estamos como os dias de Noé!

maxresdefault“E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do Homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.” Mateus 24:37-39

Amados (as) precisamos entender a seriedade do período em que vivemos e ouvir qual tem sido o alerta de Deus para essa geração. É necessário essa geração perceber qual é a conversa que o Eterno Deus está tendo com a humanidade, e principalmente com a igreja dessa última hora, pois o nosso Deus não mudou, nem seadequou, nem tão pouco se aperfeiçoou. Ele é a PERFEIÇÃO, é IMUTÁVEL, sempre teve um padrão estabelecido para a humanidade, o ser humano é que é inconstante e pensa que Deus acompanhaas tendências humanas, ou cresce em sabedoria juntamente com a mente humana. E esse tem sido o grande erro dessa geração, não conhecer o Deus das escrituras, e por não ler a bíblia, fantasiam um deus folclórico segundo a sua imaginação e crêem que é o mesmo Deus das escrituras. Ou para se explicar, ou tentar se excusar da culpa do pecado, dizem o famoso jargão: “Mas nós estamos no período da Graça” e esquecem-se que Deus sempre exerceu graça e juízo em toda a trajetória humana, muitos se apegam que por Deus possuir o atributo da Graça Ele perdeu o atributo de Juiz, e que ainda odeia o pecado e a iniqüidade. E por não conhecer o Deus de Israel (HasHem Adonai) essa geração chegou ao nível de pecado (se não ultrapassou) a geração dos dias de Noé e nos dias de Ló.FlorisWga

O sentimento que carrego dentro de mim é que as pessoas estão tão distantes de Deus e tão despreocupadas, mesmo indo nas igrejas diariamente, ou em alguns períodos de tempos; a grande maioria está dormindo no momento em que não era para estar dormindo, mas vigilante. Todo mundo preso a esse mundo, e bem poucos são os que estão preocupados com a volta de Jesus; poucos levam a sério os sinais, poucos estão querendo aproximar de Deus de verdade. Quase ninguém leva a sério quando falamos que devemos nos preparar para encontrar com Jesus, que não é de qualquer jeito que alcançaremos a vida eterna, somente os que estiverem em santificação e andando em retidão que alcançaram tal promessa. É bem verdade que não possuímos nenhum atributo para ser totalmente reto nem totalmente justo diante de Deus, e que Cristo teve que morrer pelos nossos pecados e ser esmagado pela ira de Deus pelos nossos pecados que estavam sobre os ombros do nosso salvador, mas ao mesmo tempo em que Ele estava recebendo as nossas culpas e iniqüidades, Ele estava imputando justiça e retidão em nós. Então porque a igreja de Cristo despreza essa justiça para andar segundo a vontade animalesca dos seus corações e se entrega tão facilmente as paixões carnais. Por isso temos uma geração carregada de pecados e o que é pior tentando se justificar e achando que está tudo bem com o nosso Eterno Deus, quando na verdade não está.

Para entendermos qual é a conversa de Deus e do Seu Filho Jesus para essa geração (pois é a geração que antecede a volta de Cristo nas nuvens do céu)precisamos entender o que Cristo estava querendo dizer com: “como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do Homem” Mateus 24:37. E para isso temos que entender qual era a condição da humanidade no tempo que antecedia o dilúvio. Então vamos nos voltar a palavra e ver o que ela nos conta: “E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente… E disse o Senhor: Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus… Noé, porém, achou graça aos olhos do Senhor… Noé era homem justo e perfeito em suas gerações; Noé andava com Deus… A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra.Noé

Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra.” Gênesis 6:5-13. Percebam que a terra está exatamente da mesma maneira de quando estava na época de Noé. E como Deus não poupou a terra na época de Noé porcausa da transgressão do gênero humano, novamente Ele não poupará essa geração corrompida. E se Deus executou juízose executará novamente sobre a terra, onde, pois está o período da Graça? A resposta é muito simples, Deus mostra a Sua graça aos justos e aos retos. A estes Deus irá poupar no dia da Sua ira; como Ele poupou Noé e sua família por causa da justiça, assim tambémpoupará aqueles que andarem em justiça. Precisamos conhecer a maneira que Deus trabalha, pois mesmo nós vivendo debaixo da Graça de Deus, ao mesmo tempo estamos debaixo da Sua Justiça e dos Seus juízos, e Ele terá misericórdia daqueles que aprouverem a Ele e uma prova de que Ele não mudou da transição do antigo testamento para o novo testamento Ele repete as seguintes palavras, tanto no novo como no velho testamento: “Eu farei passar toda a minha bondade por diante de ti, e proclamarei o nome do Senhor diante de ti; e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia, e me compadecerei de quem eu me compadecer.Êxodo 33:19, e novamente Ele fala: “Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia. Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece.” Romanos 9:15-16, e ainda: “Portanto santificai-vos, e sede santos, pois eu sou o Senhor vosso Deus.” Levítico 20:7, e de novo: “Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo.” 1 Pedro 1:15-16. Portanto Deus não mudou, ainda é o mesmo.Arca1

Enquanto Noé pregava a justiça, as pessoas estavam preocupadas com outras coisas; riam, zombavam, continuavam em pecado, não criam. Até que subitamente veio o dilúvio e não deu tempo de ninguémfazer mais nada, nem de se arrependerem, nem de buscar justiça, tinha se encerrado o período da graça de Deus. Certamente eles devem ter gritado a Noé; todosos amigos dele, o restante dos parentes e muitos outros. Eles devem ter pedido misericórdia a Deus, mas era tarde demais, Deus já tinha fechado a porta da arca.

Da mesma forma milhares de anos depois tem a mesma conversa com Ezequiel e fala: “… Viste, filho do homem? Acaso é isto coisa leviana para a casa de Judá, o fazerem eles as abominações que fazem aqui? pois, havendo enchido a terra de violência, tornam a provocar-me à ira; e ei-los a chegar o ramo ao seu nariz. Pelo que também eu procederei com furor; o meu olho não poupará, nem terei piedade. Ainda que me gritem aos ouvidos com grande voz, contudo não os ouvirei.” Ezequiel 8:17-18.
hqdefault

O Senhor avisa Ezequiel de novo sobre o encher da taça da ira de Deus e o povo de Israel não ouviu antes continuaram a praticar os mesmos pecados, continuaram a andar sem temor até que veio a espada de Deus.

E agora Ele está avisando de novo para todas as nações, mas de novo ninguém está dando ouvidos. É hora de começarmos a levar Deus mais a sério, porque quando Ele começar a executar os seus juízos, nada vai parar Ele, e ai daquele que provar da taça da ira do Senhor (Apocalipse 19:15). Quando Ele próprio vier executar os seus juízos nem os clamores e os gritos de agonia irá fazer com que Ele deixe de executá-los.
E essa geração fala: “ah mas não é bem assim não, vivemos no período da graça”. Mas esquecem-se que Jesus vai vim com a galardão pra cada um, tanto pra justiça para os justos como pra juízo para os injustos (Apocalipse 19:6-12).

É hora de levarmos o que Deus está falando mais a sério e buscar andar em retidão como Noé andou, porque o nosso Deus é um Deus de amor imensurável, mas também é um Deus tremendo e terrível, quem não O temerá nessa geração?imgres

Ele mesmo nos ensina: “E tu, ó homem, que julgas os que fazem tais coisas, cuidas que, fazendo-as tu, escaparás ao juízo de Deus? Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência e longanimidade, ignorando que a benignidade de Deus te leva ao ARREPENDIMENTO? Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus; O qual recompensará cada um segundo as suas obras; a saber: A vida eterna aos que, com perseverança em fazer bem, procuram glória, honra e incorrupção; Mas a indignação e a ira aos que são contenciosos, desobedientes à verdade e obedientes à iniqüidade” Romanos 2:3-8.

Jesus Cristo está vindo, pare de brincar com a sua salvação e busque purificar e refinar a sua justiça, pois é essa justiça que demonstra que você já está ataviado (a) para se encontrar com Cristo (Apocalipse 19:7-8 e Apocalipse 22:11-12).

SHALOM!!!!!Untitled-3

A nação sob o governo de Deus

“Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo ao qual escolheu para sua herança.” Salmos 33:12.
Para entendermos este assunto, vamos voltar la atrás na nação Israel. Israel estava sobre um governo opressor; o governo do Egito. Em certo momento, não suportando a situação do domínio de um governo opressor, clamaram ao Seu Deus para pedir auxílio, pois se lembraram da promessa que Deus fez a Abraão, que seria uma grande nação. Ao se lembrar de Deus e ao clamar a Ele, Deus prepara para o povo um líder (Moisés) para guiá-los até a terra da promessa, que seria incumbido de repassar as informações que o Senhor entregaria a ele. A única condição que Deus propôs para este povo era que o próprio Deus seria o Seu governante, pois se assim fora, todos os povos que se opusessem ao povo de Israel, Deus iria se opor a estes povos e daria a vitória. Israel seria uma grande nação prospera, integra, respeitada por todos os povos da terra, se de coração inteiro se voltasse para o Seu Deus.

Enquanto as outras nações haviam seus próprios governantes, seus próprios deuses e seguiam suas leis corruptas e injustas. Israel teve a oportunidade de ter a sua frente um governo incorruptível e justo em todos os seus sentidos. Então, através de ordenanças Deus propôs como seria a conduta do povo para com Ele. A condição para essa comunicação entre o povo de Israel com Deus seria a purificação e a santidade, pois se o Seu governante era a fonte da pureza e da santidade, o seu povo também deveria seguir a Sua conduta. Por alguns anos o povo de Israel tentou andar embaixo dessa condição. Enquanto cumpria, seus termos eram ampliados, conseguiam grandes vitórias, grandes conquistas, foi prospera em todo o tempo em que consentiu em seu coração a estar debaixo do governo de Deus. No decorrer dos anos, Deus nomeou homens para conduzir o povo, segundo a palavra do Senhor.

O governo de Deus-721683
Em um certo período da história, escolheram abandonar e rejeitar o governo de Deus, para se sujeitar ao governo de homens. Então escolhem para si Saul, como nos afirma em 1 Samuel 12:13 “Agora, pois, vedes aí o rei que elegestes e que pedistes; e eis que o Senhor tem posto sobre vós um rei.” Alí começou o declínio de Israel, pois voluntariamente negaram o governo do Senhor para se sujeitarem ao jugo de homens.
É bem verdade que houve grandes reis como David, Salomão, Uzias; mas por outro lado também houve reis ímpios que levaram a nação ao cativeiro, ao declínio e ao desprezo.

Vamos citar o caso do rei Roboão que deixando os mandamentos do Senhor e fazendo o povo deixar os caminhos de Deus; Deus levanta contra Continuar lendo