O DÍZIMO SEGUNDO OS ENSINAMENTOS BÍBLICOS

dizimodosenhor

O tema sobre o dízimo sempre gera polêmica sobre o povo, por causa dos fins que muito das ofertas são destinados. Não é novidade para ninguém quando se diz que grande parte dos dízimos que os fieis entregam como gratidão a D’us, acabam sendo desviado para atender os caprichos de determinados líderes religiosos, ou até mesmo aos caprichos de algumas instituições; mas não podemos generalizar.

Então onde é que estamos errando no quesito dízimos e ofertas? Leia esse texto abaixo escrito por Mário Persona:

Você é zeloso com as coisas que Deus colocou em suas mãos para administrar? Seu dinheiro, por exemplo.

Fala-se muito em ofertarmos a Deus, mas quase nada da necessidade de analisarmos a idoneidade das pessoas que recebem essas ofertas para ver se dão a destinação correta. Temos nas epístolas instruções de ofertas voluntárias destinadas às necessidades de irmãos pobres e dos que trabalham na obra do evangelho. Mas hoje qualquer estelionatário pode abrir uma “igreja” e viajar em jato particular e morar em mansão. Quem paga esse luxo? Aqueles que não foram bons e zelosos mordomos dos bens que o Senhor lhes deu, entregando a estelionatários aquilo que devia ser destinado aos pobres e aos que efetivamente trabalham na obra na simplicidade do exemplo dado por Paulo:

“Não cobicei a prata nem o ouro nem as roupas de ninguém. Vocês mesmos sabem que estas minhas mãos supriram minhas necessidades e as de meus companheiros. Em tudo o que fiz, mostrei-lhes que mediante trabalho árduo devemos ajudar os fracos, lembrando as palavras do próprio Senhor Jesus, que disse: ‘Há maior felicidade em dar do que em receber’ “. At 20:33-35 Continuar lendo

VOCÊ VIVE VERDADEIRAMENTE SOB A GRAÇA DE DEUS?

12553039_1076887652342163_4651138140094293889_n“Porque a graça salvadora de Deus se há manifestado a todos os homens, Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente, Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo; O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras. Tito 2:11-14

A graça de Deus consiste em transformar pecadores depravados e ávidos pelas concupiscências carnais e pelo pecado que tão de perto nos rodeia [Hebreus 12:1-8] em novas criaturas por Cristo Jesus (na verdade não em criatura, mas em filhos de Deus [João 1:12]); pois ao assumir nova identidade conquistada através da cruz de Cristo, somos transformados segundo a justa medida da fé no Filho de Deus, sabendo que desprezando a primeira natureza corrupta (Adão) somos gerados segundo a natureza do Justo dos céus (Jesus Cristo) e essa nova natureza nos dá o padrão de pureza exigida por Deus Pai para sermos aceitos diante da Sua gloriosa e santa presença [Salmos 24:3-5].

A graça de Deus não é libertina como se pensa hoje em dia, mas é condicionada àqueles que “morrem” verdadeiramente para o pecado e para essa vida, a fim de poderem viver em santidade e zelo diante de Deus, o El Shaddai.

Precisamos revisar alguns conceitos do evangelho que se perderam ao longo dos anos para que não sejamos mais como “meninos levados por qualquer vento de doutrina” [Efésios 4:14]. O entendimento desses conceitos está diretamente ligado à sua eternidade.

Em primeiro passo, a vida cristã deve estar condicionada a fé no Filho de Deus e a confissão do Seu senhorio sobre a sua vida e em segundo passo devem levar-se em conta as obras que você realiza e que comprovam a sua fé; ou seja, a sua prática de vida deve ataviar a sua profissão de fé – isso é ser um verdadeiro cristão – andar de acordo com as obras de Cristo aqui na terra, porque isso é ser sal da terra e luz do mundo [Mateus 5:13-20] em meio a uma geração inteira pervertida e relaxada quanto aos conceitos e conselhos deixados por Deus na bíblia.

Continuar lendo