MENORAH E ÓLEO PARA O TERCEIRO TEMPLO ESTÃO PRONTOS

Seguindo as especificações dadas por Deus ao povo hebreu em Sh’mot [Exôdo] 30: 23-31, está sendo preparado em Israel, o azeite segundo cada especificação na Torá, para ser utilizado na festa de Hanukkah (Festa das Luzes) que terá início após o pôr do sol do 24° dia do mês de Kislev do ano judaico 5777 (24 de Dezembro de 2016) percorrendo oito dias de festividades.

Esse acontecimento é de um significado muito impactante, pois demostra estar-se cada vez mais próximo a concretização da construção do terceiro templo, e tem um impacto muito profundo tanto para os judeus, como para nós cristãos. Porque através da aproximação da construção do terceiro cresce-se e avoluma a esperança da volta do nosso Glorioso Senhor Jesus (Yeshua Ha’Mashiach)

Então leia criteriosamente o artigo abaixo:

menorah

Menorah de ouro em Jerusalém [Castiçal com 07 braços]

Um azeite especial, ritualmente puro, foi cuidadosamente preparado pelo Sinédrio para que o os sacerdotes possam acender a menorá – candelabro de 7 braços – caso o governo lhes dê permissão.

“O azeite está pronto, então se o governo permitir, estamos prontos para subir ao Monte do Templo e acender a menorá”, afirmou rabino Yaakov Savir, nomeado pelo Sinédrio para supervisionar o complexo processo de produção.

Ele explicou ao Breaking Israel News que a iluminação da menorah é considerada uma oferta ritual a Deus: “O azeite é queimado tal como um sacrifício de animais, sendo considerado uma das ofertas diárias do Templo”. Continuar lendo

Sinédrio pede a Trump e Putin a reconstrução do Templo

trump-putin-temple
Confesso que quando há uma hora atrás li esta notícia (de fonte segura), não acreditei. Pensei tratar-se de uma brincadeira relacionada com a recente eleição de Donald Trump. Só que a coisa é mais séria do que eu pensava, o que não quer dizer que se venha a concretizar já. Mas que é um sinal dos tempos que se aproximam, sem dúvida que é…
O “Sinédrio Nascente” lançou um apelo ao presidente russo Vladmir Putin e ao agora eleito presidente norte-americano Donald Trump para que juntem forças e cumpram os seus mandatos bíblicos de reconstruir o Templo de Jerusalém.
 
O porta-voz do Sinédrio, o rabi Hillel Weiss, contactou o site “Breaking Israel News”para anunciar que a eleição de Trump – que prometeu reconhecer Jerusalém como capital de Israel, a par do desejo expresso de Putin para a construção do Templo – levou a corte judaica a enviar uma carta aos dois líderes, oferecendo-lhes a oportunidade de se tornarem nos modernos “Ciros”:  Ciro foi o rei não judeu que reconheceu a importância de Jerusalém e do Templo.
Ciro o Grande, rei da Pérsia no 6º século a.C., anunciou no primeiro ano do seu reinado ter sido escolhido por Deus para fazer um decreto através do qual o Templo de Jerusalém teria de ser reconstruído:
“Assim diz Ciro, rei da Pérsia: o Senhor Deus dos céus me deu todos os reinos da terra, e me encarregou de Lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá” – Esdras 1:2.
Ciro enviou de volta para Jerusalém os judeus que estavam sob o seu domínio, com uma considerável soma de dinheiro, com o qual deveriam reconstruir o Templo. O actual Sinédrio planeia agora apelar aos dois líderes mundiais para que tomem posse deste antigo decreto bíblico e apoiem o povo judeu na sua sagrada missão.
O rabi Weiss explicou que as eleições nos EUA tornaram o eterno sonho judaico numa possibilidade muito real.

rabi-weiss“Estamos preparados para construir o Templo. As condições políticas actuais, nas quais os dois mais importantes líderes mundiais apoiam o direito dos judeus a Jerusalém como sua herança espiritual, não tem precedentes históricos”
– afirmou Weiss.
RAZÕES PARA A VITÓRIA INESPERADA DE TRUMP
A carta do Sinédrio assinala que a inesperada vitória de Trump deveu-se ao seu apoio a Jerusalém, e lembra Trump da sua promessa eleitoral de deslocar a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém, reconhecendo assim efectivamente a cidade como a capital de Israel.
O “Acto da Embaixada de Jerusalém”, votado pelo congresso norte-americano em 1995, iniciou o processo de deslocação da embaixada, mas tem desde então sido vetado por todos os presidentes norte-americanos em exercício. O Sinédrio apela agora a Trump para que anule o veto assim que tomar posse como presidente.
 
O PAPEL CRUCIAL DE PUTIN
O Sinédrio recordou também na carta a ligação de Putin ao Templo. Durante a sua terceira visita a Jerusalém em 2012, Putin fez uma visita nocturna ao Kotel (Muro Ocidental). Quando chegou ao lugar sagrado para os judeus, o líder russo ficou em silêncio durante vários minutos, fazendo uma oração pessoal, tendo depois feito uma leitura dos Salmos a partir de um livro de orações em russo e hebraico.
Um transeunte israelita que ali se encontrava clamou em voz alta: “Bem vindo, presidente Putin!” O presidente russo aproximou-se então do homem, que lhe explicou a importância do Monte do Templo e do Templo judaico. O site de notícias judeu ortodoxo “Chadrei Charedim” relatou que Putin teria respondido: “É exactamente a razão por que vim aqui: orar para que o Templo volte a ser construído.”
Ainda que Putin não tenha respondido na altura ao apelo feito pelos judeus, o Sinédrio acredita que chegou a altura do presidente russo tomar um papel activo na reconstrução do Templo.
TRATADO DE SAN REMO
Para além dos pedidos relacionados com o Templo, o Sinédrio está também apelando a Putin e a Trump para que renovem a resolução da “Liga das Nações” feita em 1920, conhecida como “Tratado de San Remo”, que, na sua essência, possibilitou a criação de um estado judaico através da divisão do império otomano. O tratado incorporou a “Declaração de Balfour”, emitida pela Grã-Bretanha em 1917, e que deu o reconhecimento oficial e apoio para o estabelecimento do estado de Israel.
O presidente norte-americano Calvin Coolidge ratificou em 1925 o “Tratado de San Remo”, legalizando assim o reconhecimento de um estado judaico pelas leis americanas. O Sinédrio enfatizou que é agora imperativo fortalecer o compromisso histórico norte-americano com o estado de Israel, adoptando o documento, numa altura em que a “Autoridade Palestiniana” tenta reescrever a História mundial através de uma ridícula campanha contra a “Declaração de Balfour.”
O rabi Weiss enfatizou que o apoio à reivindicação judaica de Jerusalém traria benefícios à Rússia, aos EUA e até mesmo ao resto do mundo.
“Os líderes da Rússia e da América podem conduzir as nações do mundo à paz global através da construção do Templo, a fonte da paz” – explicou o rabi, acrescentando: “Isto anulará as pérfidas resoluções da UNESCO, que são a causa de raiz do aumento do terrorismo e da violência.”
Tudo se encaminha a passos largos para o cumprimento do GRANDE SINAL, que dará início aos últimos 7 anos antes da Vinda do Messias Jesus: o acordo do Anti-Cristo com a nação de Israel e “com muitos”, um falso acordo de paz, que será rompido pelo Anti-Cristo a meio dessa “semana profética”, e que incluirá a construção de um Templo para os judeus…
Pode estar mais próximo do que imaginamos…!
Fonte: Shalom, Israel

Rei da Jordânia viola acordo com Israel sobre o Monte do Templo

12373228_10150614290859969_7009555401716292847_nAs notícias provenientes da Jordânia deixar claro que o governo da monarquia Hachemita continua a “demanda” de que Israel pare de permitir o acesso judeu ao Monte do Templo. Embora seja duvidoso que o rei Abdullah tem muito interesse pessoal sobre o Monte do Templo, suas demandas constantes para manter os judeus fora da Mount jogar bem para os islâmicos em seu governo e população, e ajuda a reforçar seu aperto um pouco tênue no poder. Ele também tem sido observado recentemente que Jordan parece ter chegar a um Continuar lendo

Milhares de soldados iranianos encenam tomada do Monte do Templo

ShowImage

A construção de uma réplica de plástico da al-Aksa e Domo da Rocha, iranianos relatórios de mídia dezenas de milhares de soldados encenado exercícios apelidado de “Rumo à Cidade Santa”.

Milhares de forças paramilitares iranianos participaram de treinos simulados e exercícios simulando a captura do Monte do Templo em Jerusalém, semi-oficial Fars do IrãA agência de notícias informou sexta-feira.

A construção de uma réplica de plástico da al-Aksa e Domo da Rocha “, dezenas de milhares de soldados” conduzida encenado exercícios apelidado de “Rumo à Cidade Santa.”

O relatório Fars acrescentou que os treinos envolvidos mais de 120 batalhões Basij, em que caças-jatos bombardearam alvos no sobremesa e dezenas de esquadrões armados de pistola representando soldados israelenses que guardavam a réplica santuário.

Fars citou um comandante Basij como dizendo que os treinos foram organizadas “de exercer a preparação para lutar contra possíveis ameaças na região.”ShowImage (1)

Lutadores Basij são um braço voluntário do do Irã Guarda Revolucionária Islâmica e foram chegando na Síria para reforçar as tropas do governo sírio em uma ofensiva no norte da cidade de Aleppo impugnado e outras áreas controladas pelos insurgentes.

No mês passado, o Irã realizou um funeral público para um paramilitar Basij sênior depois que ele foi mortalmente ferido em batalha no norte da Síria.

O Irã diz que tem conselheiros militares e voluntários na Síria, mas nega que tenham uma força convencional no chão e diz que está apoiando o exército sírio contra os insurgentes Estado islâmico. ShowImage (2)A Rússia, que está a realizar ataques aéreos com aviões sírios-based, diz o mesmo.

Fonte: Jpost

Como se cumprirá a profecia de Apocalipse 11?

O livro de Apocalipse, no capítulo 11 diz que quando a besta matar as duas testemunhas nas ruas de Jerusalém, as pessoas de muitas nações, e línguas, vão ver os seus corpos mortos, que ficará nas ruas por três dias. Essa profecia nunca fez sentido para as gerações antes do advento da transmissão de TV ao vivo. O artigo a seguir mostra como especificar a profecia de Apocalipse 11. Haverá transmissão ao vivo 24/7 câmeras instaladas no Monte do Templo para exibição pública. Apocalipse 11 está ligada ao Monte do Templo em versos 1 e 2. Estamos vivendo nos últimos dias.

dd758-monte2bdo2btemplo2b-2bvista2bac3a9rea

Os EUA espera que as câmeras de segurança da Jordânia e Israel concordaram em criar no Monte do Templo para ser transmitido ao vivo e disponível para o público, porta-voz do Departamento de Estado John Kirby, disse na quinta-feira.

“Ainda é nossa expectativa de que o vídeo seria transmitido ao vivo e disponível 24/7 para o público”, disse Kirby uma coletiva de imprensa. Continuar lendo

Criança cumpre profecia de Isaías 56

Também quando o estrangeiro, que não é do teu povo Israel, quando vier de um país remoto por amor do seu nome para eles ouvirão do teu grande nome e sua mão poderosa e seu braço estendido -Quando eles vêm orar voltado para este templo. “(I Reis 8: 41-3)

O conflito sobre o Monte do Templo cresceu mais intenso nas últimas semanas. Apesar de decisões judiciais no espírito que o local sagrado é “uma casa de oração para todos os povos” (Isaías 56: 7), os judeus são continuamente assediadas e impedidas de rezar no local.

Recentemente, os esforços do rabino Yehuda Glick, de renome mundial Monte do Templo advogado e fundador da Fundação Heritage Monte do Templo, produziram resultados milagrosos para os não-muçulmanos que desejam ascender ao local sagrado. Pela primeira vez em anos, judeus e cristãos estão autorizados a visitar o Monte do Templo, sem ser molestado.

A comovente comovente vídeo compartilhado com demonstra o cumprimento das palavras de Isaías se tornando realidade. Um menino novo é visto dizendo a oração de Shema Yisrael com total devoção, sua mão cobrindo os olhos exatamente como a lei judaica exige. O que é notável sobre este vídeo é que o menino não é judeu.

Isaías 56: 7 

“Mesmo aqueles levarei ao meu santo monte e os alegrarei na minha casa de oração. Os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar; Para minha casa será chamada casa de oração para todos os povos “.

Este versículo não está falando sobre o templo judaico em termos teóricos. Quando o rei Salomão dedicou o Primeiro Templo judeu, ele foi concebido para ser um lugar para todas as nações para servir a Deus (I Reis 8: 41-3). O texto rabínica central conhecida como o (13b Hullin) Talmud explica: “Sacrifícios devem ser aceites a partir de nações como eles são de judeus.”

Enquanto os templos judaicos levantou-se, não-judeus trouxe regularmente sacrifícios. Embora apenas como judeus não da classe sacerdotal não foram autorizados para o pátio interno do templo, os não-judeus não foram autorizados passado uma cerca baixa, chamada de soreg, que cercaram o templo.

Assim como os israelitas necessário que os sacerdotes atuam como mensageiros para trazer seus sacrifícios ao altar, os judeus serviram como mensageiros para os não-judeus, trazendo os seus sacrifícios no Templo, cumprindo assim o mandamento de “ser para mim uma nação de sacerdotes e uma nação santa “(Êxodo 19: 6).

Templo de Salomão era uma casa de oração universal ea lei israelense moderno reflete essa idéia. Israel é o epicentro de muitas religiões e intolerância religiosa não tem lugar em uma nação democrática. Sob o Império Otomano, os não-muçulmanos não foram autorizados a rezar no Monte do Templo e do Waqf continua esta política, apesar da sua ilegalidade. Para Israel para avançar para a nova era, a liberdade de oração deve ser a norma, como na América, eo lugar mais importante para começar é o Monte do Templo.

Fonte: breakingisraelnews

A profanação do Monte do Templo por satanás

“E edificou altares na casa do SENHOR, da qual o SENHOR tinha falado: Em Jerusalém porei o meu nome.”

2 Reis 21:4

O Deus da Bíblia disse que o lugar onde Ele escolheu para colocar o seu nome é a cidade de Jerusalém, mais especificamente o Monte do Templo, onde os israelitas construíram a casa do Senhor.

bible-archeology-jerusalem-temple-mount-temple-hadrian-temple-of-jupiter-baalbek-lebanon-135ad-overlaid-floorplan

Em Isaías 14:12-15, lemos que Satanás caiu do céu e que seu desejo era de ascender (ser exaltado) acima das nuvens para ser como o Altíssimo Deus. Satanás também disse que iria assentar-se no “monte da congregação” (versículo 13). Esta, aparentemente, é uma clara referência ao desejo de Satanás de ser adorado como Deus, sentado no monte da congregação de Israel, o local do Monte do Templo em Jerusalém, onde a casa do Senhor foi edificada.

Agora aqui está a coisa interessante sobre essa passagem: a palavra hebraica para “ASCENDER” é a palavra hebraica “ALAH.” A palavra significa “ascender”, “ir para cima” e “EXALTAR”. É possível que Isaías esteja nos dando a identidade que Satanás usaria para sentar-se no Monte do Templo em Jerusalém, usando a palavra em hebraico ALAH?bible-archeology-jerusalem-temple-mount-temple-hadrian-temple-of-jupiter-baalbek-lebanon-135ad-overlaid

Observe a palavra hebraica “Alá” traduzida como “subir”.

Logo depois que Maomé supostamente recebeu as “revelações divinas” do deus islâmico “Alá”, trazida até ele por um “arcanjo” chamado Gabriel, Maomé tentou conquistar terras para Alá até que alcançasse Jerusalém.

A tradição islâmica acredita que Maomé milagrosamente ascendeu aos céus do Monte do Templo em Jerusalém e, como resultado, os muçulmanos decidiram, nos termos do Califado Omíada, construir uma mesquita islâmica no Monte do Templo, o próprio local onde o Senhor Deus YHWH escolheu para colocar o Seu Nome e ter uma casa ou templo construído para Ele.

“Pelo que tu (Satanás) disseste em teu coração: Eu subirei (ALAH) ao céu, vou exaltar o meu trono acima das estrelas de Deus; Além disso, vou assentar-me no monte da congregação (Monte do Templo), nas extremidades do norte;” (Isaías 14:13)

Por que Satanás quer sentar-se sobre os lados mais distantes do norte? Porque é aonde o Monte Sião, o monte de Deus, o Monte do Templo está.

“Formoso de sítio, e alegria de toda a terra é o monte Sião sobre os lados do norte, a cidade do grande Rei.”
Salmos 48:2

É possível que o texto hebraico esteja nos dando uma pista sobre a identidade de Satanás para ser usada como ele deseja ser exaltado acima das estrelas de Deus e como ele se senta no monte da congregação, o Monte do Templo, onde Deus escolheu para colocar Seu divino Nome.

Nós sabemos que quando o Messias Jesus voltar, ele vai reconstruir o Templo do Senhor no Monte do Templo em Jerusalém, onde Ele reinará como Rei por mil anos. Sabemos também que a profecia parece indicar claramente que o Judaísmo vai construir um templo temporário que será profanado pelo Anticristo islâmico.

Por agora, a abominação da desolação parece ter sido parcialmente cumprida nos reinos espirituais e físicos, com Satanás assentado no Monte do Templo na forma de uma mesquita islâmica, como “Alá”, que profana o nome de Cristo por ter escritas em suas paredes, por dizer que “Deus não é um filho e que Ele não pode ter um filho”, uma blasfêmia direta como negar que o Messias Jesus é o filho de Deus.


Fonte: DVCORP

O anúncio do Terceiro Templo pode ser em 12 de julho de 2015

yehuda-glick-temple-mount
ATENÇÃO: Estamos vendo o descortinar de um evento de proporções proféticas sendo possivelmente realizado diante de nossos olhos nessa época
—————————
O ativista do Monte do Templo e chefe do Templo do Monte Heritage Foundation, rabino Yehuda Glick, está atualmente (02/07) em Istambul, Turquia, em um encontro com líderes religiosos muçulmanos e juntando-se como um convidado de honra na celebração do feriado do mês do Ramadã.
Várias personalidades religiosas e muftis tinham estendido a mão para Glick, convidando-o para visitar mesquitas turcas e participar de condenações públicas conjuntas do terror e da violência em nome do Islã.
Glick é um israelense de origem americana é dedicado a vida em aumentar o acesso ao Monte do Templo em Jerusalém, o local mais sagrado do judaísmo. Uma figura controversa, ele sobreviveu a uma tentativa de assassinato em outubro, quando um terrorista palestino atirou quatro vezes no seu peito à queima-roupa.
Discutindo a sua decisão de viajar para a Turquia, a qual nos últimos anos não tem sido amigável para com Israel, Glick explicou em uma declaração exclusiva à Israel News, “nos últimos anos tenho estado envolvido na promoção do diálogo entre os crentes em Um e Único Deus. Quando faço uma chamada para a liberdade de culto, dos direitos humanos, o respeito a todas as outras pessoas, eu quero dizer isso. Esta missão está profundamente ligada à visão de nossos profetas que tornaram o Monte do Templo em uma casa de oração para todas as nações”.
Glick condenou a justificativa religiosa usadas por terroristas para realizarem seus atos de violência. “Há muitos líderes religiosos amigáveis que compartilham essa crença de que não só é qualquer uso da violência que não se justifica, mas quando é feito em nome de Deus, é uma desgraça total de Seu Nome”, afirmou Glick.

Refletindo sobre a tentativa de assassinato de sua vida, Glick disse ao Israel News, “logo depois que eu fui ferido, muitos desses líderes vieram condenar publicamente este atentado muito ferozmente, e eles tinham me convidado para expressar essas palavras para mim pessoalmente. Agora, oito meses após a tentativa de assassinato contra a minha vida, eu sinto que, embora eu não estou completamente de volta, a minha saúde atual me permite responder positivamente a esses convites”.
Considerando as atuais tensões políticas e religiosas em Israel, Glick explicou que ele sentiu que esta viagem poderia promover o diálogo e a paz. “Desta vez, eu senti que eu não podia dizer não. Embora nestes dias os muçulmanos estão desonrando o nome de Deus e realizando ataques terroristas ao redor de Israel, fui convidado pelos líderes muçulmanos para comemorar como um convidado de honra durante o mês do Ramadã. Eu fui convidado para vir para suas mesquitas e ouvi-los pregar publicamente para condenar qualquer tipo de terror e violência.
“Esta semana eu estarei reunido com diversos muftis que compartilham essas crenças. Espero que eu esteja fazendo a minha pequena parte na promoção da paz no mundo, em nome de Deus, cujo nome é Shalom (paz), e em nome da cidade de Shalom – Jerusalém”.
Quinta à noite, Glick é esperado para se juntar a representantes de diferentes religiões em uma grande cerimônia celebrando a refeição fast-break tradicional de iftar, que é comido cada noite na conclusão do diário de jejum do Ramadã.
“Encontrei-me com um grande Mufti de Istambul – Ideen Hyman, da Mesquita Dulmabache. Eu também me reuni com o governador de Istambul”, disse Glick.
Em uma entrevista com Adnan Oktar, um proeminente autor e anfitrião de televisão no canal A9 por satélite que falou no passado sobre a fraternidade entre judeus e muçulmanos, Oktar expressou sua admiração de Glick e reafirmou sua condenação da violência.
“A tentativa de assassinato foi terrível”, disse Oktar. “Foi o terrorismo. Denunciamos de forma muito poderosa. Nenhum muçulmano normal pode pensar isso ou fazer isso”.
Agradecendo Oktar por falar em nome de Deus contra a violência, Glick encorajou outros a defenderem a verdade contra o Islã radical.
“Quando alguém faz [a violência] em nome de Deus, e nós sabemos que Deus é a vida eterna, que Ele não pode ser usado para matar, Ele é para a vida, então é isso que é tão doloroso, e é isso que nós, pessoas que são fiéis em Deus, devemos falar contra”, afirmou.
“Eu acho que o Sr. Oktar está a fazer isso todos os dias, chamando as pessoas e dizendo que Deus não é o Deus do mal, Deus é um Deus de misericórdia, isso é tão importante, porque temos de preparar a humanidade para estes dias especiais”.
Falando sobre o verdadeiro custo do terror islâmico, Glick acrescentou: “O dano destas pessoas que estão fazendo [a violência] em nome do Islã não é um prejuízo para nós, é principalmente um dano ao Islã. Nós sabemos que o Alcorão fala sobre o povo judeu como o Povo do Livro, da Terra Santa, e essas pessoas que estão falando em nome do Islã, eles estão causando danos acima de tudo para o nome do Islã”.

yehuda-glick-turkey1
Oktar concordou, dizendo: “Você está certo, eles atacam Islã e o Corão, desta forma, fazendo algo parecido com isto. Vamos ver muito belos dias, se Deus quiser. Veremos que os filhos de Abraão irão se abraçar na Terra Santa, e vamos ver o Mashiach (Messias)”.
“Nós consideramos você como um herói”, acrescentou. “Sua missão ainda não acabou, sua missão continua, vamos ver o Mashiach (Messias), vamos ver o Templo de Salomão, vamos todos juntos orar lá, se Deus quiser”.

Mais detalhes em Breaking News.

Fonte: The Temple Institue e Dionei Vieira.

ESTA É A IMAGEM PUBLICADA PELO INSTITUTO DO TEMPLO AVISANDO SOBRE O ANUNCIO
11204899_10150566296169969_433244512192153997_n

Monte do Templo está na mira do Vaticano

papa no monte do templo 26maio2014Em 2000, falando em uma mesquita palestina em Ramallah, Yasser Arafat declarou: “Ninguém vai ter sucesso em remover-nos da nossa terra, incluindo Jerusalém, e a bandeira palestina vai voar a partir do Monte do Templo e das igrejas em Jerusalém”.

Arafat poderia dizer isso porque ele tinha ganho o apoio do Vaticano para a sua estratégia terrorista. Em 26 de junho de 2015, o Vaticano assinou seu primeiro acordo com o “Estado da Palestina”. É a conclusão lógica de um longo caminho.

Quando o pontífice João Paulo II subiu ao Monte do Templo em 2000, o local mais sagrado do judaísmo, ele não foi bem recebido por autoridades israelenses, mas por representantes da palestina Autoridade , eo complexo sagrado foi enfeitado com bandeiras árabes. Foi o reconhecimento implícito do Papa de hegemonia islâmica. Ele foi levado a dizer que o Islã eo cristianismo substituiu o judaísmo e tem o direito de “herdar” os seus lugares santos.

Desde então, a Santa Sé de tomar uma posição como o aliado dos chefes da palestina Autoridade no lugar mais sagrado para o povo judeu, tornou-se quase um fato consumado.

O lobby católico de legitimação de Israel passa pela guerra em Jerusalém e na guerra em Jerusalém que atravessa o Monte do Templo. O local onde o povo judeu adorado por centenas de anos e o ponto focal deles praticando as orações de judeus está sob ataque do Vaticano.

Os acordos Vaticano e a OLP foram assinados para permitir a expulsão dos judeus de Jerusalém. Isto segue um memorando assinado por autoridades palestinas e do Vaticano, em 2000, que repetiu o apelo do Vaticano para um mandato internacional para preservar “a identidade própria e o caráter sagrado” de Jerusalém. Isso significa um retorno a uma época em que metade do capital de Israel estava sob controle islâmico, a Cidade Velha foi fechada para os judeus, sinagogas foram profanados, e as paredes, farpado fio, e franco-atiradores dividiu a cidade pela força.

O Vaticano é consistente. Em 1964, quando o Papa Paulo VI fez a primeira visita papal a Jerusalém, judeus e cristãos com passaportes israelenses foram proibidos de entrar na Cidade Velha. E não oficial do Vaticano reclamou sobre isso.

O que os judeus fazem para além de agradar aos tiranos e seus colaboradores ? Aqui está o que eles deveriam fazer: Comece a tomar o controle do Monte do Templo. Será mais difícil para persegui-los se eles fazem isso.

Fonte: Israel National News

 

Cordeiro Pascal volta a ser sacrificado em Jerusalém

coatitas 1Uma multidão entusiasmada assistiu em Jerusalém a um ritual que transportou as personagens até ao ano 200 a.C., quando um grupo de coatitas trajados a rigor, e na presença do rabino mor de Jerusalém e de líderes municipais desfilaram próximo do Monte do Templo, entoando hinos e carregando um cordeiro mais tarde sacrificado como oferta pascal, tudo segundo os rituais antigo ditados pela Lei.

Membros do grupo “Fiéis do Monte do Templo” executaram este ritual, ansiando um dia poder realizá-lo já em cima do Monte do Templo, como antigamente se fazia, antes da destruição do 2º Templo de Jerusalém no ano 70 d.C.

Os levitas deste movimento sacrificaram o cordeiro segundo os preceitos bíblicos, tirando a sua pele, derramando todo o sangue do animal sobre um altar previamente erigido, queimando alguns dos seus órgãos em cima do altar, assando a carne, tudo isto a meio do toque de trombetas e do entoar de canções apropriadas.coatitas 2
Apesar deste grupo ser marginalizado pela maioria dos rabinos, a verdade é que este ano se assistiu à presença nunca antes vista de alguns dos mais importantes rabinos, tendo até o município de Jerusalém contribuído financeiramente para o evento.

Presente no evento esteve também o activista Yehuda Glick, que sobreviveu a uma tentativa de assassinato por um terrorista árabe há cerca de seis meses atrás.
Segundo este activista, na altura do atentado, os médicos deram-lhe apenas entre 2 a 5% de chances de sobrevivência.
“Os meus filhos vieram ao hospital para se despedirem de mim” – testemunhou Glick, acrescentando: “Gostaria de poder oferecer um sacrifício expressando a minha gratidão, mas ainda não o podemos fazer agora. Quem sabe, se em breve não o poderemos fazer?”

Fonte: ShalomIsrael