Dia da Palestina com a aprovação de seis resoluções contra Israel

O Presidente da Assembleia Geral da ONU, Peter Thomson, usa uma bandeira palestina para marcar Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino da ONU, enquanto a montagem estava se preparando para condenar Israel em seis resoluções.

COMUNICADO DE IMPRENSA
Para divulgação imediata

H.E. Mr. Peter Thomson - President of the General Assembly Committee on the Exercise of the Inalienable Rights of the Palestinian People Special meeting in observance of the International Day of Solidarity with the Palestinian People, in accordance with General Assembly resolution 32/40 B of 2 December 1977

GENEBRA, 29 de novembro de 2016 – Hoje, a Assembléia Geral da ONU realizou “Dia da Palestina”, com a aprovação de seis resoluções contra Israel, como parte de seu ritual anual de a adoptar 20 resoluções patrocinadas pelo apontador árabe para o Estado judeu . Ver o artigo original em Inglês com a imagem sobre o conteúdo das resoluções aqui .

Atualização de 30 de novembro: A adopção de deliberações foi remarcado para hoje 30 de novembro)

A resolução apela a Israel para transferir o controle das Colinas de Golã para a Síria, ignorando os assassinatos em massa que agora são perpetrados pelo regime do presidente Bashar al-Assad. Outra resolução condenando as ações de Israel em Jerusalém, e usa apenas o termo islâmico para o Monte do Templo, ignorando o papel bíblico do site no judaísmo e cristianismo. Continuar lendo

Aborto é assassinato sim e sacrifício ao abominável deus Moloque

Antes de entrar no detalhe no qual se refere a Moloque como o deus do Aborto, gostaria de dizer quem é Moloque e quem está por tras desta adoração pagã.
Moloch ou Moloque é o nome do deus pagão que também era conhecido como conhecido por (Malca ou Milcon) ao qual os amonitas, uma etnia de Canaã (povos presentes na península arábica e na região do Oriente Médio), sacrificava seus recém-nascidos, eram jogados no ventre da estátua de Moloque, onde existia uma cavidade com uma fogueira ardente que consumia as crianças vivas. Mas também houve por parte dos Israelitas (Povo de Deus) uma adoração a este falso deus assim que eles adentraram nas terras de Canaã, Mas o Senhor nosso Deus, já os havia advertido sobre Moloque:

“Também dirás aos filhos de Israel: Qualquer dos filhos de Israel, ou dos estrangeiros peregrinos em Israel, que der de seus filhos a Moloque, certamente será morto; o povo da terra o apedrejará.
Eu porei o meu rosto contra esse homem, e o extirparei do meio do seu povo; porquanto eu de seus filhos a Moloque, assim contaminando o meu santuário e profanando o meu santo nome.
E, se o povo da terra de alguma maneira esconder os olhos para não ver esse homem, quando der de seus filhos a Moloque, e não matar,
eu porei o meu rosto contra esse homem, e contra a sua família, e o extirparei do meio do seu povo, bem como a todos os que forem após ele, prostituindo-se após Moloque.”
(Levítico 20:2-5)moloque

Vários reis de Israel cometeram tal pecado, a começar pelo rei Salomão, que na sua velhice, “edificou um alto (altar) sobre o monte que está diante de Jerusalém a Moloque, a abominação dos filhos de Amom” (1 Reis 11:7), o rei Acaz queimou seus próprios filhos no fogo (2 Cr 28:3), o rei Manassés também sacrificou seus filhos ao fogo (2 Cr 33:6) e as dez tribos de Israel também passaram pelo fogo seus filhos e filhas cometendo tão horrendo pecado (2 Reis 17:17). Apesar do profeta Jeremias ter exortado o povo acerca desse pecado “E edificaram os altos de Baal, que estão no vale do filho de Hinom, para fazerem passar seus filhos e filhas pelo fogo a Moloque, o que nunca lhes ordenei, nem subiu ao meu coração que fizessem tal abominação, para fazerem pecar a Judá.” (Jr 32:35), ainda assim o povo não ouviu a voz do Senhor, recebendo então o castigo divino.

Com tudo isso podemos concluir, que quão terrivél foram os atos destas pessoas do passado,e se pudéssemos dizer algo a  estas pessoas, diríamos : Como puderam fazer isso com  estas crianças? Como uma sociedade poderia ter aceitado tal barbaridade? Continuar lendo

Erdogan declara que Exército turco entrou na Síria para derrubar Assad

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse nesta terça-feira (29) que o Exército de seu país entrou na Síria para acabar com o governo do presidente Bashar Assad, a quem acusou de terrorismo de Estado.

6474482“Entramos [na Síria] para acabar com o regime do tirano Assad que aterroriza com terror de Estado. [Não entramos] por qualquer outra razão”, disse o presidente turco em um simpósio interparlamentar em Istambul, citado pelo jornal Hurriyet. Erdogan disse ainda que Ancara não tem reivindicações territoriais na Síria, mas quer entregar o poder à população síria para restaurar “a justiça”. “Por que entramos? Não estamos de olho em solo sírio. A questão é fornecer terras a seus verdadeiros proprietários. Ou seja, estamos lá para o estabelecimento da justiça”, disse ele.

Ele continuou afirmando que de acordo com as suas “estimativas”, quase um milhão de pessoas morreram na Síria, e que isso o fez se perguntar “onde estava a ONU” e “o que ela estava fazendo”. Em dado momento, disse Erdogan, a Turquia perdeu a paciência e “teve que entrar” no país árabe para lutar “junto com o Exército Livre da Síria”.

Nenhum grupo de monitoramento fornece números de vítimas semelhantes aos declarados por Erdogan. Os últimos dados da ONU calculam que, em cinco anos, o conflito sírio matou cerca de 400 mil pessoas. As tropas turcas entraram na Síria em 24 de agosto, lançando a chamada operação Escudo do Eufrates com tropas terrestres e força aéreo no norte do país vizinho, com o objetivo declarado de ajudar a retomar as regiões controladas pelo Daesh (autodenominado Estado Islâmico).

No entanto, grande parte dos analistas considera que Ancara pretende sobretudo suprimir as forças curdas no norte Síria, a fim de evitar a conexão de três regiões curdas, que de facto são autônomas, em um único enclave ao sul da fronteira turca.

Em outubro, as forças aéreas da Turquia mataram entre 160 e 200 combatentes da milícia curda YPG em 26 ataques aéreos realizados em apenas uma noite. A campanha militar turca na Síria também levou a relações cada vez mais tensas entre Ancara e o governo de Assad. A Turquia foi forçada a suspender o apoio aéreo à sua incursão militar no final do mesmo mês, depois que Damasco prometeu derrubar os aviões da Força Aérea turca que estivessem sobrevoando seu espaço aéreo.

Fonte Sputnik

Obama pode dividir a terra de Israel na ONU antes de sair da presidência

barack-obama-at-the-un-security-council-public-domain-460x306Barack Obama prestes a fazer o mais catastrófica decisão de toda a sua presidência? O ex-embaixador na ONU, John Bolton está avisando que há “muita especulação” sobre na sede da ONU agora sobre “resoluções que reconhecem um Estado palestino ou que tentame definir um limite para Israel com base nos 1967 cessar-fogo linhas “. De claro que isso tem que acontecer antes da posse de Donald Trump em 20 de janeiro , porque Trump já deixou bem claro que ele não vai apoiar qualquer resolução de tal natureza ONU. Sabendo que Trump está prestes a assumir o cargo, defensores da “solução de dois estados” estão colocando uma imensa quantidade de pressão sobre Obama para apoiar uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que iria dividir permanentemente a terra de Israel, enquanto ele ainda está na Casa Branca, e neste momento não sabemos o que a decisão final do Barack Obama será.

A maioria dos americanos não tem idéia do que este drama se desenrola nos bastidores, mas aqueles que a conhecem estão muito conscientes do que está acontecendo. O Wall Street Journal publicou recentemente um artigo intitulado ” Israel surpresa de Obama? “, Que discutiu a possibilidade de Obama a apoiar uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que iria dividir permanentemente a terra de Israel, e do conselho editorial do New York Times foi formalmente aprovado tal resolução. Continuar lendo

COINCIDÊNCIAS OU AÇÃO DIVINA?

“Porque, se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha?” 1 Coríntios 14:8

Donald J. Trump - 45° presidente dos Estados Unidos da América

Donald J. Trump – 45° presidente dos Estados Unidos da América

Não estamos aqui com o intuito de afirmar nada e nem tão pouco “puxar a sardinha” para o lado do presidente eleito dos E.U.A. Não podemos insinuar nada sobre ele, se será usado para o bem ou para o mal, afinal Donald J. Trump ainda é uma incógnita.

Também pode ser apenas mais um presidente americano, como qualquer outro. Porém, Deus tem muitas maneiras de se pronunciar com a humanidade, e utiliza-se de vários meios para chegar a despertar o ser humano (principalmente os filhos) sobre o tempo profético em que se encontram. Abrindo um parêntese aqui, quero pontoar que Deus utiliza-se de governantes para executar todo o Seu desígnio sobre a face da terra, quer seja para juízos ou para bênçãos, e antes que alguns venham a achar que eu estou afirmando que o presidente eleito é um homem de Deus, quero deixar claro que há uma grande diferença em ser “homem de Deus” e ser “instrumento nas mãos de Deus”. Um homem de Deus é aquele que anda segundo o coração de Deus, que quer agradar a Deus e também procura obedecer a Deus com diligência, segundo a Sua palavra – como foi o caso de Davi – Um instrumento nas mãos de Deus nem sempre é também um homem de Deus, mas uma pessoa ou algo usado para que Deus quer executar; portanto esse “instrumento nas mãos de Deus” pode muito bem ser um ímpio ou até mesmo um iníquo, e temos diversos casos de homens na bíblia que foram instrumentos nas mãos de Deus – Faraó, Sisaque, Nabucodonozor, Artaxerxes, Ciro, etc. – Todos esses não foram necessariamente homens de Deus, mas foram instrumentos hora para juízos sobre o povo de Israel, hora para livramentos e bênçãos. Continuar lendo

MENORAH E ÓLEO PARA O TERCEIRO TEMPLO ESTÃO PRONTOS

Seguindo as especificações dadas por Deus ao povo hebreu em Sh’mot [Exôdo] 30: 23-31, está sendo preparado em Israel, o azeite segundo cada especificação na Torá, para ser utilizado na festa de Hanukkah (Festa das Luzes) que terá início após o pôr do sol do 24° dia do mês de Kislev do ano judaico 5777 (24 de Dezembro de 2016) percorrendo oito dias de festividades.

Esse acontecimento é de um significado muito impactante, pois demostra estar-se cada vez mais próximo a concretização da construção do terceiro templo, e tem um impacto muito profundo tanto para os judeus, como para nós cristãos. Porque através da aproximação da construção do terceiro cresce-se e avoluma a esperança da volta do nosso Glorioso Senhor Jesus (Yeshua Ha’Mashiach)

Então leia criteriosamente o artigo abaixo:

menorah

Menorah de ouro em Jerusalém [Castiçal com 07 braços]

Um azeite especial, ritualmente puro, foi cuidadosamente preparado pelo Sinédrio para que o os sacerdotes possam acender a menorá – candelabro de 7 braços – caso o governo lhes dê permissão.

“O azeite está pronto, então se o governo permitir, estamos prontos para subir ao Monte do Templo e acender a menorá”, afirmou rabino Yaakov Savir, nomeado pelo Sinédrio para supervisionar o complexo processo de produção.

Ele explicou ao Breaking Israel News que a iluminação da menorah é considerada uma oferta ritual a Deus: “O azeite é queimado tal como um sacrifício de animais, sendo considerado uma das ofertas diárias do Templo”. Continuar lendo

Eventro astronômico de amanhã seria o literal Apocalipse 12?

captura-de-tela-2016-11-19-14-23-41
Amanhã, dia 20 de novembro de 2016, Júpiter entrará dentro da Constelação de Virgem, o início do sinal de Apocalipse 12? Durante 9 mees até o Hanukkah em setembro de 2017, a Virgem estará “gerando” o planeta Júpiter (o maior e para muitos é simbolo do Messias).

captura-de-tela-2016-11-19-14-22-26

Para um melhor entendimento veja o vídeo a seguir, ativando as legendas em portugues.

A SANTIDADE DO NOME DE DEUS

O nome sagrado do Eterno como foi dito a Moisés em terra Santa. O Santo nome impronunciável que compõe o tetragama do Nome de Deus – YHWH – está ligado também ao nosso fôlego de vida, conforme descrito em Gênesis 2:7. Por isso o temor e a reverência Lhe é necessário. Muitas pessoas não entendem quando as vezes em alguns de nossos posts escrevemos D-us ao invés de Deus. Isso é porque quando se trata de algum post sabemos que muitos zombadores irão fazer suas piadinhas infames em cima destes assuntos, e em segundo lugar é que quando se oculta uma letra (no caso a letra “e”) demonstramos respeito e reverência pelo nome impronunciável de Deus, seria o equivalente a YHWH, o nome que o Eterno disse a Moisés que seria conhecido eternamente.

Ha’Shem (O Nome) YHWH está divinamente interligado a nossa respiração como alma vivente, ou seja, o nome do Eterno está ligado à parte de Sua essência em um amontoado de terra (o homem); quando Ele assim soprou o fôlego de vida em Adão.

A primeira coisa que temos que ter em mente ao falarmos do Rei do Universo é que Ele é santo e poderoso, assim como o Seu nome. Também devemos nos lembrar que Ele é dono do nosso fôlego de vida. Se tivermos esses princípios bem fundamentados em nossa mente muitas das atrocidades e loucuras faladas e praticadas em nome de D-us não existiriam; porque as pessoas teriam o devido temor ao Todo-Poderoso.

E.U.A A CAMINHO DE UMA GUERRA CIVIL

Após o candidato Donald J. Trump vencer a 45ª eleição para presidente dos Estados Unidos, começaram alguns movimentos em alguns estados do país contra a posse do candidato e nos remete a seguinte pergunta: Estaria os Estados Unidos correndo o risco de uma guerra civil?

Para começar é necessário entender qual é o real significado de guerra civil.

No decorrer da história ocorreram algumas guerras civis ao redor do mundo e também no Brasil, veja algumas delas:

  • Guerra Civil de Roma de (49 a 48 A.C.)
  • Guerra Civil Inglesa (1642- 1649)
  • Guerra Civil Portuguesa (1828-1834)
  • Guerra Civil Iugoslava (1918-1941)
  • Guerra Civil Espanhola (1936-1939)
  • Guerra Civil Americana (1861-1865)
  • Guerra dos Farrapos – Brasil (1835-1845)
  • Guerra de Canudos – Brasil (1896-1897)
  • E muitas outras.

Uma guerra civil é uma guerra entre grupos organizados dentro do mesmo estado-nação ou república,[1] ou, mais raramente, entre dois países criados a partir de um Estado-nação que antes era unido.[2] O objetivo, de um lado, pode ser o de assumir o controle do país ou uma região, para conseguir a sua independência, ou para mudar as políticas do governo. Uma guerra civil é um conflito de alta intensidade, muitas vezes envolvendo forças armadas regulares, que é sustentado, organizado e de grande escala. Guerras civis podem resultar em um grande número de vítimas e no consumo de recursos significativos.[3] Continuar lendo